sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Estaleiro Brasfels demite 2 mil empregados

Sem receber há mais de um ano da Sete Brasil, que o contratou para construir seis sondas para a Petrobrás, estaleiro fará os desligamentos até dezembro
RIO - A indefinição sobre o futuro da Sete Brasil, responsável pela construção de sondas de perfuração para a Petrobrás, provoca uma nova onda de demissões na indústria naval, com o desligamento de dois mil funcionários até dezembro no estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis (RJ).
É o segundo estaleiro a reduzir a operação à espera de pagamentos da empresa, que há mais de um ano parou de repassar verbas para a construção de sondas já em andamento. A decisão do estaleiro agrava a desconfiança quanto à salvação da Sete Brasil, já afetada pela prisão do banqueiro André Esteves, presidente do BTG Pactual e principal articulador de um acordo entre os credores de US$ 3,6 bilhões em dívidas da companhia.
As demissões foram anunciadas pelo estaleiro ao Sindicato dos Metalúrgicos de Angra dos Reis na quarta-feira. Cerca de 230 funcionários já foram demitidos e os demais serão desligados até a primeira quinzena de dezembro. As demissões reduzem em 30% a capacidade de trabalho do estaleiro, contratado pela Sete Brasil para construir seis sondas para a Petrobrás – duas em fase intermediária e uma com 90% de avanço físico, mas com obras suspensas.
Segundo o presidente do sindicato, Manoel Sales, a direção do estaleiro sinalizou que a folha de funcionários estava "insustentável" após um ano sem aportes da Sete Brasil. A empresa teria indicado ao estaleiro que não há previsão para regularizar os pagamentos. "As demissões vão ter efeito na cidade, no comércio. Angra 3 (usina nuclear) já mandou embora mais de 1,5 mil trabalhadores. É muita demissão ao mesmo tempo", disse o sindicalista.
Cortes. No início do ano, o estaleiro Enseada, da Odebrecht, na Bahia, também fechou as operações e demitiu mais de seis mil trabalhadores por conta do calote da Sete Brasil. O estaleiro desistiu do contrato com a empresa, que depende de uma reestruturação em discussão na Petrobrás desde janeiro. A crise na estatal, a retração dos investimentos no setor de óleo e gás e os efeitos da operação Lava Jato sobre empreiteiras já provocou a demissão de 20 mil pessoas na indústria naval somente em 2015.
A Sete Brasil e seus ex-diretores também são citados no esquema de formação de cartel e desvio de recursos para pagamento de propinas, o que desencadeou a grave crise na empresa, que também já demitiu cerca de 25% de seu quadro de funcionários e só tem caixa para operar até o primeiro trimestre do próximo ano, mesmo sem realizar os pagamentos aos estaleiros. Em nota, a empresa informou que "depende da aprovação do plano de reestruturação para regularizar o cronograma de pagamentos", e disse que não comentaria as demissões.
Apesar dos atrasos, os estaleiros tinham acertado manter as operações. à espera de um acordo com a Petrobrás. Investidores também tinham concordado em adiar dívidas vencidas em outubro, após uma articulação liderada pelo BTG Pactual, um dos principais sócios na Sete Brasil. Com a decisão do Brasfels e a prisão de André Esteves, há apreensão quanto à manutenção do acordo e mesmo quanto à salvação da empresa. A Petrobrás e seu fundo de pensão Petros já registraram perdas com o investimento na companhia, e outros sócios também sinalizaram que vão rever o valor do ativo.
Recuperação. O entrave para a empresa é a reestruturação de seu contrato com a Petrobrás. Inicialmente, o contrato previa a construção de 28 sondas, com diferentes empresas operadoras. Agora, está em negociação a construção de apenas 18 ou até menos, com apenas três grupos operadores, entre eles a própria Sete Brasil. A medida visaria a recuperar a receita perdida pela empresa com a redução do número de sondas.
O acordo também prevê que dois novos sócios façam aportes de R$ 2 bilhões no projeto, e que um deles assuma a construção e a propriedade de quatro sondas. Apesar de o esboço do acordo ter passado por um pente fino pela área jurídica da Petrobrás, ainda há fortes resistências dentro da empresa.
Fonte:
ANTONIO PITA, FERNANDA NUNES

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA