segunda-feira, 3 de abril de 2017

Atingido por Lava Jato e competição no exterior, setor naval afunda


Afetada diretamente pela Operação Lava Jato, a indústria naval brasileira demitiu mais de 50 mil pessoas desde 2014, quando a área de petróleo atingiu seu pico de encomendas.
Agonizando, o setor recebeu novo golpe neste ano: a flexibilização das regras de conteúdo local, uma obrigação contratual dos leilões que garantiam protecionismo à indústria nacional.
O cenário atual é de obras inacabadas, canteiros vazios e estaleiros sem receber pagamentos há 3 anos, com algumas das plataformas e navios-sonda quase prontos, mas abandonados. São encomendas de milhões de dólares.
O número de trabalhadores caiu de cerca quase 83 mil em 2014 para 33 mil atualmente, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval). E novos postos de trabalho são encerrados mês a mês.
O governo pretende realizar 4 leilões de exploração de petróleo neste ano, sendo 2 no pré-sal. A notícia, no entanto, não agradou ao setor.
Para tornar os blocos  mais atrativos às petroleiras no leilão (estrangeiras, inclusive), houve a flexibilização da exigência de contratação no país. As empresas de petróleo, lideradas pela Petrobras, dizem que os custos no Brasil são até 40% mais caros. Os que defendem o protecionismo alegam que é justamente necessário fortalecer e tornar competitiva a indústria nacional do setor.
LAVA JATO
A agonia do setor teve início com a deflagração da Lava-Jato. Construtoras denunciadas na operação como Odebrecht, Camargo Correa, OAS e UTC, dentre outras, são sócias de muitos dos estaleiros nacionais. Além disso,  os parques de construção naval dependiam quase exclusivamente das encomendas da Petrobras, que, com prejuízos sucessivos diante da operação, foi obrigada a reduzir drasticamente seus investimentos e a vender ativos, ficando muito menor do que era.
O Rio de Janeiro é um dos Estados mais atingidos pela crise do setor naval, devido à dependência econômica da cadeia de petróleo. O número de estaleiros paralisados, total ou parcialmente, são pelo menos 5 (Eisa, Enseada, Vard, Promar e Aliança)
SETE BRASIL
Na Bahia, o estaleiro Enseada Paraguaçu, que possui dentre os sócios a Odebrecht, paralisou suas obras. O estaleiro era bastante dependente dos pedidos da Sete Brasil.
A Sete foi criada em 2010 para fornecer 29 sondas para a Petrobras explorar o petróleo do pré-sal. Também é alvo da Lava Jato.
A Petrobras é sócia e também credora da Sete. Fundos de pensão como Petros, Previ e Funcef, além de instituições financeiras como Bradesco, Santander e BTG Pactual constituíram a empresa.
O contrato da empresa junto à Petrobras era de aproximadamente R$ 162 bilhões, por 15 anos. O diretor de operações da Sete era Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras.
Fonte: Poder 360 / Portos e Navios

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Consórcio anuncia início de obra das plataformas P-75 e P-77 no Sul do RS


Construção será realizada no Estaleiro QGI, em Rio Grande.QGI estima a geração de 4,2 mil vagas, 1,2 mil diretas e 3 mil indiretas.


Está confirmado o início da obra das plataformas P-75 e P-77 no Estaleiro QGI, em Rio Grande, no Sul do Rio Grande do Sul. Em comunicado divulgado na tarde desta terça-feira (4), o consórcio anunciou o início do projeto para fabricar módulos e realizar a integração das estruturas.
O estaleiro conta com 300 trabalhadores, e a QGI estima a geração de outras 4,2 mil vagas de emprego, 1,2 mil diretas e 3 mil indiretas, mas reforça que as contratações serão graduais, conforme as etapas do projeto, e que a mão de obra local será priorizada. Em setembro de 2013, o estaleiro e a Petrobras assinaram o contrato de US$ 1,68 bilhão, mas a liberação de valores adicionais provocou o impasse que completou três anos.
Algumas etapas dos projetos - como a construção de módulos e dos cascos - estão sendo feitas na China. A empresa não está realizando a seleção presencial, mas disponibilizou o email rh@qgibrasil.com.br para o recebimento de currículos e o esclarecimento de dúvidas dos candidatos.
Em novembro de 2013, a Petrobras e o estaleiro QGI assinaram um contrato para construir as plataformas em Rio Grande. O projeto, no entanto, chegou a ser cancelado devido às investigações da operação Lava Jato. No mesmo ano, as construções de três estaleiros na cidade gaúcha gerou mais de 20 mil empregos.
Em julho de 2015, uma comitiva de trabalhadores foi de Rio Grande até a sede da Petrobras no Rio de Janeiro e voltou com a garantia da obra, que geraria 2 mil empregos diretos. Porém, um ano depois, a indefinição continua.
No mês seguinte, entretanto, o Estaleiro QGI e um escritório da empreiteira na cidade foram alvo de buscas da Polícia Federal. A ação foi parte da na 33ª fase da Operação Lava Jato, batizada de "Resta Um".

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Mensagem de Fé e Esperança!!!

😃 Uma boa tarde nobres amigos!!!
"Não cabe a nós dizer quem é do Senhor e quem não é; Ele conhece os que lhe pertencem, onde quer que estejam."
________________________________________
"O orgulho é o maior de todos os males que nos afligem, não apenas é o mais difícil de morrer, mas o que tem a morte mais lenta." (J.N.Darby)
________________________________________
(Salmos 91:2) - Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.

Abs,

Carlinhos MG 🚂 ​ 🙏​
​​

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Catedral de São Pedro - RS

Localizada no Centro Histórico do Rio Grande, na rua General Bacelar, 440, entrada pelo Calçadão e fundos com o Museu da Cidade do Rio Grande – Coleção Arte Sacra. Tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN em 1938.

A Paróquia de São Pedro tem início, em 06 de agosto de 1736, com a Provisão que criava a Freguesia de São Pedro, pertencente à diocese do Rio de Janeiro. Em 1737, Brigadeiro José da Silva Paes a mando de D. João V, Rei de Portugal, construiu um presídio na foz do Rio Grande de São Pedro, considerado posto militar estratégico para dar apoio à Colônia do Sacramento. Erigiu uma Capela em honra à Sagrada Família – Jesus, Maria e José, considerada Matriz, depois a Capela de Sant’Ana e posterior mais duas Capelas de construção precárias, Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora da Lapa. Em 1740, a Capela Jesus, Maria e José precisava de reformas, foi então que a Matriz foi deslocada para a Capela Nossa Senhora do Rosário, de outubro de 1741 a julho de 1743. Em 1747, a Igreja de São Pedro foi elevada a Matriz.
Em 1750, um raio atingiu o armazém ao lado da Matriz, explodindo barris de pólvora, danificando a edificação que ficou em ruínas. Mesmo reedificada, a degradação física, a umidade e as constantes dunas de areia, que se formavam ao seu redor, impediam a realização dos ofícios religiosos. Em 1751, o Rio Grande de São Pedro foi elevado à Vila e, em 1752, chegaram à região colonos açorianos, trazidos para garantir a posse daquele território para Portugal, mediante sua ocupação efetiva. Também chegado aqui o General Gomes Freire de Andrade, representante da Coroa, para demarcar as fronteiras entre Portugal e Espanha, de acordo com o Tratado de Madrid, traçou o plano da nova povoação, quando o Padre Manoel Francisco da Silva relatou as dificuldades enfrentadas por seus misteres e, então, o General determinou a construção de um novo Templo, iniciando as obras, com projeto do Engenheiro Militar Tenente Manoel Vieira Leão e utilizando o material destinado à construção da residência do Governador.
Para sanar a reverência do Santíssimo Sacramento, ficou acordado que construiriam a Capela Mor e a frontaria, e o povo construiria o corpo do Templo. Sua planta é a única conhecida até hoje, entre todas as igrejas setecentistas do Rio Grande do Sul.
Em 25 de agosto de 1755 foi inaugurada a Matriz de São Pedro, igreja mais antiga desde Laguna/SC até Montevidéu/Uruguai, portanto, a primeira do Estado do Rio Grande do Sul. Em 1756, a Matriz de São Pedro inicia sua vida paroquial, com a administração dos Sacramentos.
Reza a tradição que, em 1763, com a invasão espanhola, a Matriz foi saqueada, desrespeitada, depredada e transformada em hospital, porém outras linhas da história afirmam que não sofreu danos e foi resgatada intacta pelos portugueses. Em 1776, após operações terrestres e navais, os luso-brasileiros conseguiram a reconquista das terras rio-grandenses do sul e a Matriz de São Pedro exerceu papel preponderante no simbolismo da reconquista, realizando-se no seu adro, em 07 de abril de 1776, um Te Deum para comemoração do feito histórico e, em ação de graças, pela reconquista da vila.
De 1849 a 1937, a Matriz foi alvo de grandes manifestações por parte da Câmara Municipal e representantes da tendência Modernista que, por diversas vezes, cogitaram a demolição, reforma ou ampliação da Matriz. Ao longo do tempo, foram apresentados vários projetos e formadas várias comissões no intento de edificar a nova Matriz. Este fato desperta reações dos defensores da tradição histórica. O novo e o velho enfrentam-se no cotidiano rio-grandino. Em 1937, sua demolição chegou a ser autorizada e esteve na iminência de ocorrer, mas o processo burocrático atrasou, e a legislação sobre seu tombamento se consolida, tendo sua importância reconhecida, tombada em 1938.
Em 1971, foi inaugurada a Diocese do Rio Grande, sendo Dom Frederico Didonet designado como Primeiro Bispo. Em 1972, a Matriz foi elevada a Catedral, denominada Catedral de São Pedro, sede da Diocese do Rio Grande.
Após totalmente restaurada, em 17 de outubro de 1997, a Catedral reabre suas portas. Em 25 de julho de 1986, com a aposentadoria do Primeiro Bispo, assume a Diocese Dom José Mario Stroeher. Em 2007 e 2008, novamente, a Catedral foi restaurada, o telhado foi totalmente revisado, e os marcos mais danificados das portas e janelas, substituídos.
A Catedral de São Pedro enfrentou diversos obstáculos ao longo de sua história, ação do tempo, temporais, areias que invadiram, confrontos bélicos, ideias modernizantes, diversas intempéries naturais e variadas idiossincrasias e inconsequências dos interesses humanos, porém resistiu e, hoje, retrata muito da história da Cidade do Rio Grande.
Fonte: Jornal Agora  (Coord. Colab. THAÍS NUNES, Gestora de Marketing)

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Falta de empregos no setor naval gera protesto em Rio Grande, no RS

Desempregados se reuniram para pedir solução para impasse de projetos.Construção de plataformas da Petrobras foi paralisada após Lava Jato.


Trabalhadores que perderam empregos devido à paralisação de projetos no polo naval de Rio Grande, no Sul do Rio Grande do Sul, realizaram um protesto nesta terça-feira (5) no município. Um grupo se reuniu na Câmara de Vereadores para pedir uma solução para o impasse envolvendo a construção de duas plataformas para a Petrobras: a P-75 e P-77.

Michele Domingues trabalhou como soldadora durante quatro anos. Ela está desempregada há sete meses. ”Como é que tu vai explicar para o teu filho que hoje ele tem leite, mas talvez amanhã não tenha?”, questiona.

Falta de oportunidades no setor naval gera protesto em Rio Grande, no Sul do RS (Foto: Reprodução/RBS TV)
Michele está desempregada há sete meses
(Foto: Reprodução/RBS TV)


Em novembro de 2013, a Petrobras e o estaleiro QGI assinaram um contrato para construir as plataformas em Rio Grande. Com as investigações da operação Lava Jato, o projeto chegou a ser cancelado.

Em julho de 2015, uma comitiva de trabalhadores foi de Rio Grande até a sede da Petrobras no Rio de Janeiro e voltou com a garantia da obra, que geraria dois mil empregos diretos. Porém, um ano depois, a indefinição continua.

Em 2013, os três estaleiros do porto de Rio Grande chegaram a empregar mais de 20 mil pessoas. Atualmente, o número não chega a sete mil. A Petrobras e o estaleiro QGI não se manifestaram sobre a obra das plataformas.

Falta de oportunidades no setor naval gera protesto em Rio Grande, no Sul do RS (Foto: Reprodução/RBS TV)
Construção de plataformas está emperrada (Foto: Reprodução/RBS TV)

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/bom-dia-rio-grande/videos/t/edicoes/v/falta-de-oportunidades-no-setor-naval-gera-protesto-em-rio-grande-no-sul-do-rs/5144403/

FONTE: G1

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Fwd: O tempo!!!


O tempo é muito lento para os que esperam...
Muito rápido para os que têm medo.
​ ​
Muito longo para os que lamentam.
Muito curto para os que festejam.
​ ​
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.

═══════ ღೋ♡✿♡ღೋ═══════

Sds,

Carlos R. Oliveira
"Deus não nos fez perfeitos e não escolhe os capacitados, capacita os escolhidos."

Livre de vírus. www.avast.com.

terça-feira, 3 de maio de 2016

SETOR NAVAL AFUNDA

Incertezas: No Rio, o estaleiro Brasa sente os efeitos da falta de novas encomendas. No resto do Brasil, especialistas lembram que um fracasso no processo de recuperação judicial da Sete Brasil pode piorar de vez números do setor - Márcia Foletto / Agência O Globo

POR 


RIO - A euforia da indústria naval no Brasil durou pouco. O setor, que há cinco anos comemorava encomendas bilionárias, hoje sofre com a falta de novos projetos. Nos 36 estaleiros em funcionamento no Brasil, não há construções novas no horizonte, o que está levando muitas empresas a fecharem as portas. Entre as que se mantêm em operação, o trabalho se restringe à conclusão de projetos antigos, e a saída tem sido buscar outras opções de negócios, como o segmento de reparo de embarcações. O marasmo no setor é resultado da combinação entre a crise na Petrobras, decorrente dos escândalos de corrupção e da queda nos preços do petróleo, e da derrocada da Sete Brasil, empresa criada para intermediar a construção de sondas do pré-sal.

Quase 45 mil demitidos em pouco mais de um ano

O cenário de crise se reflete em demissões. Do fim de 2014 até fevereiro deste ano, quase 45 mil trabalhadores perderam seus empregos. O número, de acordo com o Sinaval, associação que reúne as companhias do setor, passou de 82.472 para 37.747, uma redução de 54%. Nem no auge o setor alcançou as previsões de 2011 — de cem mil vagas —, quando a política de conteúdo nacional ganhava força e prometia dar novo impulso a uma indústria que foi à bancarrota nos anos 1980.
Mas o fundo do poço pode não ter chegado, dizem empresários e especialistas. O temor é que um fracasso no processo de recuperação judicial da Sete Brasil — um projeto de US$ 27 bilhões entre encomendas e investimento do setor — possa dar fim aos 20 mil empregos existentes ao longo da cadeia de fornecedores. E enterrar de vez os novos estaleiros, voltados para a fabricação de sondas, como o Enseada Paraguaçu, em Maragogipe, na Bahia, que já demitiu 7.275 trabalhadores. Situação semelhante ocorre com o Jurong Aracruz, no Espírito Santo, que está em construção, além do Brasfels, em Angra dos Reis, que cortou cinco mil, e do estaleiro Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Sem receber recursos desde 2014, estes empreendimentos vivem hoje em compasso de espera.
Edson Rocha, coordenador da Confederação Nacional dos Metalúrgicos e membro do Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante, diz que o cenário é reflexo da paralisação do setor de óleo e gás e de problemas de gestão:

— Muitos estaleiros tiveram problemas comerciais e não conseguiram dar continuidade às obras. Mas a paralisia no setor afetou a todos. A Transpetro (subsidiária da Petrobras) reduziu suas encomendas de 49 embarcações para 24, afetando estaleiros médios. A Sete Brasil não paga aos estaleiros, de grande porte, porque não consegue assinar os contratos com a Petrobras, que pisou no freio, reduzindo as encomendas de barcos de apoio. O ambiente político atrapalha tudo, e quem paga é o trabalhador.
O Sinaval critica a falta de continuidade dos projetos no Brasil. “A redução dos investimentos da Petrobras representa um menor número de campos de produtores a serem desenvolvidos, o que reduz a demanda por plataformas de produção, navios de apoio marítimo e navios petroleiros aliviadores", conclui o Sinaval.
A crise se reflete em todos os polos navais do país. Além do Rio de Janeiro, onde o quadro é de fechamentos em série de estaleiros e de falta de perspectivas no Brasa e no Inhaúma, Pernambuco é um dos epicentros da turbulência. Henrique Gomes, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do estado, destaca a redução das encomendas do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), que cancelou seu contrato com a Sete Brasil para construir sete sondas e teve uma drástica redução nas encomendas feitas pela Transpetro. Segundo Gomes, o número de trabalhadores do EAS passou de 11 mil em 2009 para 3.800:
— Desde 2015, três mil foram demitidos. Não está sendo dada continuidade aos projetos por causa de Lava-Jato e da crise do petróleo. Muitas empresas que prestavam serviços ao setor naval foram fechando. Já são seis fechadas e duas em recuperação judicial.

CORTES GERAM PERDAS DE R$ 100 MILHÕES

Na Bahia, onde as obras do estaleiro Enseada do Paraguaçu foram paralisadas, o reflexo já foi contabilizado. Entre novembro de 2014 e fevereiro de 2016, o corte de vagas na região gerou perdas de R$ 100 milhões, fruto da redução da massa salarial, de acordo com dados do governo local. É o oposto do que se viu entre 2013 e 2015, quando foram gerados R$ 360 milhões em serviços executados para o estaleiro, com a contratação de 678 empresas. O PIB (Produto Interno Bruto) da cidade de Maragogipe, que cresceu de R$ 194 milhões, em 2010, para R$ 753 milhões em 2013, deve recuar em 2015 e 2016. E, segundo o Ministério do Trabalho, 3.588 vagas foram fechadas na cidade no ano passado.
— Hotéis, restaurantes e empresas fecharam suas portas — avaliou Vera Lúcia dos Santos, prefeita de Maragogipe, do PR.
Diferentemente do que ocorreu na Bahia, as obras de construção do estaleiro Jurong Aracruz, no Espírito Santo, ainda não foram paralisadas, já que estão 90% concluídas. A empresa, contratada para construir quatro sondas, está quase terminando a primeira delas com recursos próprios. Hoje, o Jurong tem 1.800 colaboradores. Mas, diz uma fonte, a continuidade vai depender do processo de recuperação judicial da Sete Brasil, que reduziu seu projeto de 28 para dez sondas.

Em Rio Grande, o impacto na economia foi grande com a redução das atividades dos estaleiros QGI (Queiroz Galvão/Iesa), Rio Grande e EBR. Além da retração das encomendas da Petrobras, vários controladores de alguns desses estaleiros foram envolvidos nas investigações da Operação Lava-Jato. Nos últimos dois anos, houve redução de 13 mil postos de trabalho na região. Hoje, são apenas 7 mil empregados. O EBR está concluindo a construção de módulos de uma plataforma, e não tem novos projetos na mesa. O Rio Grande não tem projetos, segundo fontes, já que a construção de oito cascos para os navios-plataforma foram redirecionados para o exterior. Já o QGI, após a paralisação das atividades por meses, assinou aditivo ao contrato com a Petrobras em meados de 2015 para a construção e montagem de duas plataformas. Assim, espera gerar dois mil empregos até 2017, dando pouco alívio à região.
Para especialistas, vários fatores explicam a crise do setor. Um deles é o fato de a Petrobras estar direcionando parte das encomendas para a China. "A Petrobras anunciou que as encomendas de plataformas serão direcionadas para a licitação internacional de grandes integradores", disse o Sinaval. A estatal destacou que “avalia junto com parceiros a execução no exterior de parte do escopo das obras de plataformas com o objetivo de mitigar atrasos".

CRÍTICAS AO PROGRAMA DE CONTEÚDO LOCAL

Maurício Almeida, presidente da Associação Brasileira dos Engenheiros e Técnicos da Construção Onshore, Offshore e Naval, que conta com 2.800 associados, critica a condução da política de conteúdo nacional:
— Foram criados polos navais pelo país por interesses políticos e não por razões técnicas. Foi uma desgraça anunciada. Pensou-se na criação de um setor somente num momento de pico e não na continuidade de demanda a longo prazo.
Miro Arantes, presidente do estaleiro Vard Promar, também critica a política de conteúdo nacional, que exige patamares a partir de 50%, em alguns casos. Atualmente, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) estuda a flexibilização das regras. Ao mesmo tempo, o órgão regulador pretende convocar audiências públicas sempre que uma petroleira alegar que não conseguiu atingir os índices exigidos, que são definidos em contrato no momento do leilão de blocos de petróleo.
— É preciso ter bom senso. De um lado, é uma temeridade não ter. Do outro, ter índices de 70% a 80% em alguns caso é exagero — disse Miro.
Marcelo Gomes, diretor executivo da Alvarez & Marsal, que conduz o processo de recuperação da Sete Brasil, destaca que as empresas do setor precisam passar por uma reestruturação. Um exemplo é o Estaleiro São Miguel, no Rio, que voltou a operar após uma reestruturação.
— O setor naval passa por forte momento de reestruturação por causa da crise da Petrobras e do novo patamar do preço do petróleo. As empresas precisam se reestruturar operacional e financeiramente para se adaptar à realidade. Ainda existem oportunidades no setor naval — disse.





sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

'Malinha de rodinha' levou propina ao Diretório Nacional do PT, diz delator

Em interrogatório na Justiça Federal do Paraná, o lobista Milton Pascowitch, um dos delatores da Operação Lava Jato, afirmou que entregou propinas em "uma malinha de rodinha" ao ex-tesoureiro João Vaccari Neto, no Diretório Nacional do PT, em São Paulo.
O dinheiro, relatou Pascowitch, saiu de um total de R$ 14 milhões de "comissão ao grupo político" sobre um contrato de US$ 3 bilhões de cascos replicantes da Engevix na Petrobras. Faziam parte do "grupo político", segundo Pascowitch, Vaccari, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula), seu assessor Roberto 'Bob' Marques, o irmão do ex-ministro Luiz Eduardo de Oliveira e Silva e o empresário Fernando Moura, ligado ao PT.
"(As entregas), fazia através de uma malinha que eu tenho, com rodinha. R$ 500 mil cabia. (Entregava) dentro do diretório nacional do PT, na sala dele", declarou. Pascowitch contou que, no fim de 2009, foi apresentado a João Vaccari pelo então diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque.
Segundo o delator, nesta época, se deu a assinatura do contrato de US$ 3 bilhões dos cascos replicantes da Engevix com a estatal. O lobista afirmou que naquele ano o grupo político influente no setor não era mais representado por Dirceu, "apesar de poder indiretamente ter participação, mas não é de meu conhecimento".
Pascowitch disse que o grupo passou a ser representado por João Vaccari. "A liquidação das comissões do contrato dos cascos se deu exclusivamente com o João Vaccari", relatou. "Isso coincide com as eleições de 2010 e com a necessidade de recursos na data zero. O contrato dos cascos se desenvolveria em sete anos. Foi feito um acordo e se diminuiu esse porcentual para que ele pudesse ser liquidado durante o ano de 2010. Não foi bem assim, porque ultrapassou, passou 2011 também. Mas foi fechado um valor de R$ 14 milhões como comissões a serem pagas em referência ao contrato dos cascos."
No depoimento, Pascowitch declarou que os valores da propina seriam repassados "conforme a disponibilidade ou mais ou menos o faturamento do contrato dos cascos". De acordo com o lobista, foram feitas, "contribuições políticas da Engevix no montante de R$ 4 milhões. Os R$ 10 milhões restantes foram repassados em dinheiro entre o fim de 2009 e o meio de 2011".
"Essas doações eleitorais eram abatidas do montante da propina", sustentou. Em sua delação premiada, Milton Pascowitch declarou que também intermediou propinas a José Dirceu com dinheiro que ele tinha das empresas Hope Recursos Humanos e Personal. Nesta quarta-feira, 20, na Justiça Federal, ele afirmou que recebia montantes de "R$ 700 mil, R$ 800 mil, mas que na média era perto de R$ 600 mil", provenientes de "contratos de serviços terceirizados no compartilhado da Petrobras".
"A Hope me pagava em São Paulo, na maioria das vezes, e muitas vezes eu saía do escritório da Hope e ia entrar ou ao João Vaccari. Algumas vezes eu trazia até um complemento desses valores que eu tinha no Rio de Janeiro", contou. "(João Vaccari) necessitava de recursos livres, de dinheiro, de pagamento em dinheiro. Eu fazia essa transferência para ele, então, dos recursos que eu recebia, que não eram de minha propriedade, mas que seriam uma parte do Duque, uma parte do Fernando (Moura, lobista e também delator da Lava Jato), uma parte do José Dirceu. E depois me ressarcia em contratos específicos junto ao grupo Engevix."
O juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato na 1ª instância, questionou Pascowitch sobre a ciência de um dos donos da Engevix acerca da propina paga a políticos e dirigentes da Petrobras. "Lógico, sabia. Esse valor era sabido, eu informava ao Gérson que tinha entregue X mil reais para o João Vaccari, ele passava, então, uma autorização para o Cristiano Kok (outro dono da empreiteira) elaborar um contrato de prestação de serviços. O José Adolfo, meu irmão, sentava com o Cristiano Kok e assinava esses contratos e nós éramos ressarcidos desses valores pagos", relatou.
Segundo ele, esses contratos não estavam vinculados a nenhuma obra. "Eles têm uma característica, que é a rubrica 4000, da Engevix, vinculada à vice-presidência da empresa e tem escopos completamente diferentes da nossa atuação e tem uma característica principal, que é a do pagamento à vista. Toda nossa remuneração, por exemplo, Cacimbas, começou em 2007 e terminou em 2011. Nesse caso de reposição de valores pagos de propina, eles têm vencimento à vista, eles sempre foram pagos em uma parcela só", disse.
Para o criminalista Roberto Podval, que defende Dirceu, o depoimento do delator "foi confuso". Podval nega taxativamente que o ex-ministro tenha recebido recursos ilícitos. O criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, que defende João Vaccari Neto, tem reiterado que o ex-tesoureiro do PT, jamais arrecadou valores ilícitos para o partido. "Todas as captações foram absolutamente legais e repassados ao PT, com declaração à Justiça eleitoral", afirma D’Urso.
Procurado, o PT afirmou que todas as doações recebidas pelo partido foram realizadas estritamente dentro da legalidade e posteriormente declaradas à Justiça.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015



O governo brasileiro parece não ter ficado satisfeito com o aumento do desemprego no país, que fechou 1,2 milhão de vagas nos últimos 12 meses, e prepara um decreto que deve minar ainda mais as esperanças da indústria nacional por novas contratações. A nova surpresa é uma medida para flexibilizar as regras de conteúdo local no setor de petróleo, como forma de atender à pressão que vinham fazendo as petroleiras nos últimos tempos, incluindo a Petrobrás, que já pagou centenas de milhões em multas por optar descumprir as obrigações contratuais relativas ao conteúdo local. A indústria estava confiando no discurso da própria presidente Dilma Rousseff feito no dia 15 de maio, no porto de Suape. E ela foi bem clara no que dizia: “Podem ter certeza, a política de conteúdo local veio para ficar”. Pelo jeito ninguém sabe mais no que acreditar, já que a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard (foto), confirmou nesta terça-feira (27), durante a abertura da OTC Brasil, que o decreto está sendo de fato preparado.
“Concluímos a primeira fase”, disse Magda, explicando que alguns equipamentos já atingiram altos índices de nacionalização, como os voltados à atividade subsea, mas que outros vêm passando por dificuldades de preço e prazo, como as sondas de perfuração. A diretora sempre foi uma grande defensora da política de conteúdo local e dizia que a agência seria rigorosa na cobrança dos descumprimentos, mas agora parece ter sido surpreendida por uma mudança na posição do governo. “Não vou adiantar nada. O responsável pela divulgação é o ministro Eduardo Braga”, afirmou.
De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, a minuta do documento inclui itens que facilitam o cumprimento dos índices percentuais de conteúdo nacional propostos nos contratos firmados com a ANP. Dentre os pontos, uma modificação seria a interpretação de que investimentos que promovam a instalação de novos fornecedores, a expansão de fábricas já instaladas, o desenvolvimento de novas tecnologias e a exportação de equipamentos brasileiros poderiam ser computados na conta do que é considerado conteúdo local.
Hoje, considera-se apenas a compra de equipamentos e serviços no país, algo mais objetivo e simples de mensurar. A definição dos índices é feita por instituições especializadas e credenciadas pela ANP para fazerem a certificação dos equipamentos e serviços.
Já no novo formato, a avaliação dos valores investidos e seus respectivos impactos será feita por um comitê especial, formado por representantes de três ministérios, da ANP, do BNDES e da Finep. A contagem será feita em Unidades de Conteúdo Local (UCL), com cotação equivalente ao investimento realizado, e depois a soma total poderá ser abatida de uma parte do compromisso de aquisições a serem feitas no país.
O documento com as mudanças previstas foi desenvolvido pelo Ministério de Minas e Energia e entregue a algumas lideranças do setor, mas deve gerar forte reação dos empresários e trabalhadores da cadeia de bens e serviços de petróleo e gás, já que muitas empresas investiram grandes somas nos últimos anos para atender ao segmento, treinaram e capacitaram mão de obra, mas agora estão à míngua, sem uma luz no fim do túnel. Com mais essa decisão, a pá de cal enterra de vez muitas esperanças.
Uma série de projetos já vinham sendo mandados para a China e outros países asiáticos nos últimos tempos, deixando desempregos espalhados pelos estaleiros nacionais e levando alegria para outras regiões do mundo. O novo decreto vai oficializar agora o enfraquecimento gradual que já vinha sendo gerado na indústria brasileira, aliviando a Petrobrás de parte das multas que precisaria pagar por continuar a descumprir as obrigações contratuais assinadas com a ANP. E, mais uma vez, empresas e trabalhadores brasileiros ficarão sem as oportunidades prometidas e tão aguardadas.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Estaleiro Brasfels demite 2 mil empregados

Sem receber há mais de um ano da Sete Brasil, que o contratou para construir seis sondas para a Petrobrás, estaleiro fará os desligamentos até dezembro
RIO - A indefinição sobre o futuro da Sete Brasil, responsável pela construção de sondas de perfuração para a Petrobrás, provoca uma nova onda de demissões na indústria naval, com o desligamento de dois mil funcionários até dezembro no estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis (RJ).
É o segundo estaleiro a reduzir a operação à espera de pagamentos da empresa, que há mais de um ano parou de repassar verbas para a construção de sondas já em andamento. A decisão do estaleiro agrava a desconfiança quanto à salvação da Sete Brasil, já afetada pela prisão do banqueiro André Esteves, presidente do BTG Pactual e principal articulador de um acordo entre os credores de US$ 3,6 bilhões em dívidas da companhia.
As demissões foram anunciadas pelo estaleiro ao Sindicato dos Metalúrgicos de Angra dos Reis na quarta-feira. Cerca de 230 funcionários já foram demitidos e os demais serão desligados até a primeira quinzena de dezembro. As demissões reduzem em 30% a capacidade de trabalho do estaleiro, contratado pela Sete Brasil para construir seis sondas para a Petrobrás – duas em fase intermediária e uma com 90% de avanço físico, mas com obras suspensas.
Segundo o presidente do sindicato, Manoel Sales, a direção do estaleiro sinalizou que a folha de funcionários estava "insustentável" após um ano sem aportes da Sete Brasil. A empresa teria indicado ao estaleiro que não há previsão para regularizar os pagamentos. "As demissões vão ter efeito na cidade, no comércio. Angra 3 (usina nuclear) já mandou embora mais de 1,5 mil trabalhadores. É muita demissão ao mesmo tempo", disse o sindicalista.
Cortes. No início do ano, o estaleiro Enseada, da Odebrecht, na Bahia, também fechou as operações e demitiu mais de seis mil trabalhadores por conta do calote da Sete Brasil. O estaleiro desistiu do contrato com a empresa, que depende de uma reestruturação em discussão na Petrobrás desde janeiro. A crise na estatal, a retração dos investimentos no setor de óleo e gás e os efeitos da operação Lava Jato sobre empreiteiras já provocou a demissão de 20 mil pessoas na indústria naval somente em 2015.
A Sete Brasil e seus ex-diretores também são citados no esquema de formação de cartel e desvio de recursos para pagamento de propinas, o que desencadeou a grave crise na empresa, que também já demitiu cerca de 25% de seu quadro de funcionários e só tem caixa para operar até o primeiro trimestre do próximo ano, mesmo sem realizar os pagamentos aos estaleiros. Em nota, a empresa informou que "depende da aprovação do plano de reestruturação para regularizar o cronograma de pagamentos", e disse que não comentaria as demissões.
Apesar dos atrasos, os estaleiros tinham acertado manter as operações. à espera de um acordo com a Petrobrás. Investidores também tinham concordado em adiar dívidas vencidas em outubro, após uma articulação liderada pelo BTG Pactual, um dos principais sócios na Sete Brasil. Com a decisão do Brasfels e a prisão de André Esteves, há apreensão quanto à manutenção do acordo e mesmo quanto à salvação da empresa. A Petrobrás e seu fundo de pensão Petros já registraram perdas com o investimento na companhia, e outros sócios também sinalizaram que vão rever o valor do ativo.
Recuperação. O entrave para a empresa é a reestruturação de seu contrato com a Petrobrás. Inicialmente, o contrato previa a construção de 28 sondas, com diferentes empresas operadoras. Agora, está em negociação a construção de apenas 18 ou até menos, com apenas três grupos operadores, entre eles a própria Sete Brasil. A medida visaria a recuperar a receita perdida pela empresa com a redução do número de sondas.
O acordo também prevê que dois novos sócios façam aportes de R$ 2 bilhões no projeto, e que um deles assuma a construção e a propriedade de quatro sondas. Apesar de o esboço do acordo ter passado por um pente fino pela área jurídica da Petrobrás, ainda há fortes resistências dentro da empresa.
Fonte:
ANTONIO PITA, FERNANDA NUNES

Ecovix perderá sonda da Sete Brasil

Reportagem da Revista Brasil & Energia revela que um novo corte na carteira da Sete Brasil deve atingir em cheio a Ecovix, que deve ter sua demanda de sondas reduzida de duas para uma unidade. Originalmente, o estaleiro, que assim como a empresa de sondas enfrenta sérios problemas financeiros, assinou contrato para construir três navios-sonda.A baixa de uma sonda foi determinada pela Petrobras e vinha sendo mantida em sigilo tanto pela petroleira, quanto pela Sete Brasil. De acordo com o plano em curso, outras 13 unidades da carteira da Sete Brasil serão construídas pelo Jurong, que fará sete navios-sonda, e o Brasfels, com seis semissubmersíveis. Os contratos dos dois estaleiros não foram alterados.
Com isso, se sobreviver à crise financeira que enfrentada desde o ano passado, a carteira da Sete Brasil terá apenas 14 unidades de perfuração e não as 15 divulgadas após corte do volume contratual inicial de 28 equipamentos . O consórcio Kawasaki- Odebrecht construirá outras quatro unidades no Estaleiro Enseada.
Não bastasse o atraso na construção das sondas e o fato de parte das obras terem sido remanejadas para o exterior, o futuro da Sete Brasil é ameaçado também pela relação custo benefício do negócio para a Petrobras. Diante da atual situação financeira da petroleira e da queda nos preços dos serviços praticados no setor, o afretamento dessas unidades perde o sentido econômico.
O custo de construção de cada uma das sondas da Sete Brasil irá girar em cerca de US$ 1 bilhão, bem acima do valor médio do mercado. Há até pouco tempo, esse custo oscilava no patamar de US$ 700 milhões a US$ 800 milhões, sendo que hoje é possível adquirir no mercado uma boa sonda de sexta geração usada por cerca de US$ 300 milhões. Diante do expressivo número de sondas em construção por ficarem prontas sem contratos, executivos do setor acreditam que será possível arrematar um equipamento novo pelo preço de US$ 350 milhões.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Consórcio paralisa obras no Comperj e demite 800


Petrobras avalia rescindir contrato para não atrasar a operação de unidade que atenderá o pré-sal

Consórcio QGIT — formado por Queiroz Galvão, Iesa e Tecna — suspendeu temporariamente a construção da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) - Agência O GLOBO

RIO - A única obra mantida pela Petrobras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, está sendo paralisada esta semana. O consórcio QGIT — formado por Queiroz Galvão, Iesa e Tecna — suspendeu temporariamente a construção da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do empreendimento, alegando impactos financeiros insustentáveis sobre o contrato. A decisão resultará na demissão de 800 trabalhadores. A Petrobras afirma ter sido procurada, no último dia 24, pelo grupo de empresas, que propunha a renegociação do contrato e a suspensão das obras a partir de outubro. A estatal negou a repactuação, afirmando estar com suas obrigações em dia. E avisa que pode rescindir o contrato.

O QGIT explicou em nota que a decisão é consequência de “insustentáveis impactos sobre o contrato, decorrentes da crise econômica atual e de seus efeitos no câmbio e no mercado financeiro”. E diz que as negociações com a petroleira continuam, com o objetivo de retomar as atividades o mais breve possível. Queiroz Galvão e Iesa são investigadas pela Lava-Jato, e a última encontra-se em recuperação judicial.

A Petrobras diz estar tomando as medidas necessárias para que o consórcio não paralise as obras, evitando atrasos no projeto. E enfatiza que, caso o QGIT prossiga com as desmobilizações e a paralisação das atividades, aplicará as sanções previstas em contrato, podendo chegar à rescisão contratual. “Neste caso, será realizada uma nova contratação dos serviços remanescentes, buscando-se evitar qualquer impacto no cronograma de entrega da unidade”, frisa a estatal.

Segundo Rogério Assunção, diretor do Sindicato dos Trabalhadores Empregados em Empresas de Montagem e Manutenção de Itaboraí (Sintramon), houve 520 demissões na segunda-feira — já a Petrobras fala em 650. Para ele, a situação é preocupante, pois dispensas recentes de outros funcionários pelo QGIT já mostravam cortes para enxugar custos do projeto.

— A explicação (para as demissões) é que precisam adequar custos. Na segunda-feira, houve 520 demissões. Entre agosto e setembro, já tinham demitido perto de cem. Eles contam com 900 a 950 trabalhadores, o que já era pouco perto do necessário para esta obra, onde deveriam atuar até 1.500 trabalhadores.

CONCLUSÃO PROMETIDA PARA 2017

Está prevista para hoje, diz Assunção, uma reunião entre o Sintramon e o Sindicato das Empresas de Engenharia de Montagem e Manutenção Industrial do Estado do Rio (Sindemon).

— O consórcio também deve participar do encontro. Até onde sei, a obra não está paralisada. Mas eles vêm enxugando gastos na obra, e isso pode, sim, levar à rescisão do contrato — conta Almir Gomes, advogado do Sindemon.

No fim de junho, quando a Petrobras anunciou seu novo Plano de Negócios 2015-2019, com R$ 130,3 bilhões em investimentos — o menor nível desde 2008 —, a estatal garantiu que, no caso do Comperj, seria concluída até outubro de 2017 ao menos a central de utilidades (geração de energia, água etc.) para permitir o início da operação da UPGN. A unidade será usada para processar o gás natural produzido no pré-sal.

Fonte: O GLOBO por RAMONA ORDOÑEZ E GLAUCE CAVALCANTI

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Plataforma P-67 inicia viagem de 4 meses para conclusão na China

Plataforma é a primeira a ser entregue desde o escândalo da Lava Jato. Outros cinco cascos devem ser construídos no estaleiro de Rio Grande.
Do G1 RS
Plataforma será rebocada até a China para que seja concluída (Foto: Mauricio Gasparetto / RBS TV)Plataforma será rebocada até a China para que seja concluída (Foto: Mauricio Gasparetto / RBS TV)
A plataforma P-67 começou nesta segunda-feira (28) a viagem de quatro a partir do estaleiro de Rio Grande, na Região Sul do Rio Grande do Sul, até a China, onde será finalizada. Esse é o primeiro projeto concluído desde o início da investigação da Operação Lava Jato, que apura desvios de recursos da Petrobras.
A P-67 tem dimensões consideráveis, com 353 mil toneladas, 288 metros de comprimento, 54 metros de largura e 31 metros de altura. A manobra para a retirada da estrutura teve início por volta das 10h. A plataforma foi puxada por seis rebocadores do cais do estaleiro até os Molhes da Barra. A viagem até a China será realizada por meio de dois rebocadores oceânicos.

Depois de finalizada em solo asiático, a P-67 retorna ao Brasil para ser usada na extração da camada do pré-sal, na Bacia de Santos, litoral paulista. A capacidade de produção será de 150 mil barris de petróleo e seis milhões de metros cúbicos de gás natural.
A Petrobras encomendou oito cascos iguais da Engevix, empresa envolvida no escândalo da Lava Jato. Este é o segundo casco a ficar pronto – o primeiro foi a P-66 entregue no final do ano passado.
A P-67, no entanto, deveria seguir para o Rio de Janeiro, onde seria finalizada em um estaleiro gerenciado pela empresa Mendes Júnior, também envolvida na Lava Jato. O atraso de mais de um ano nas obras fez com que a Petrobras mudasse de planos e resolvesse finalizar a plataforma na China.
Entre os outros seis cascos que ainda devem ser entregues está o da plataforma P-68. Entretanto, a construção da plataforma foi repassada para a China. A previsão é de que as demais sejam construídas no estaleiro de Rio Grande.
A construção da plataforma enviada para a China nesta segunda-feira (28) foi iniciada em abril de 2014, com a participação de quatro mil homens.

Fonte: G1


sexta-feira, 5 de junho de 2015

SEGUNDA-FEIRA SERÁ O DIA D PARA AS PLATAFORMAS P-75 E P-77 SEREM CONSTRUÍDAS NO BRASIL


Alexandre Lindenmeyer  A próxima segunda-feira (8)  será o dia D para a sobrevivência dos projetos das plataformas P-75 e P-77 no Brasil. O prefeito da cidade de Rio Grande,Alexandre Lindenmeyer (foto), terá uma reunião  com o novo diretor de Engenharia da Petrobrás, Roberto Moro.Lindenmeyer também tem feito gestões junto ao governo federal, para que a política de conteúdo nacional seja respeitada.

Por enquanto, quem está vencendo a batalha é o gerente executivo da engenharia da Petrobrás, Marco Túlio Pereira Machado, o grande defensor de não se respeitar a política de Estado de conteúdo local  (motivo do apelido de Ling-Ling, que recebeu nos sindicatos de trabalhadores). Tulio defende mandar para a China os projetos das plataformas e a montagem dos módulos de outros FPSOs. O Ministério de Minas e Energia tem negligenciado o cumprimento da determinação da própria presidente Dilma Rousseff, mas, por promessa da própria diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, e do Coordenador de Conteúdo Local, Marco Túlio Rodrigues, não haverá qualquer possibilidade de flexibilização no respeito às leis do conteúdo nacional. Quem descumpri-las, será multado. Pelo jeito, nem de longe isso assusta os dirigentes da Petrobrás.
Mais uma vez a raiz do problema é a diferença que acontece entre o projeto básico e o projeto definitivo, um problema repetido às dezenas e, pelo visto, longe de acabar. Há meses o consórcio QGI vem alertando a Petrobrás sobre a necessidade de se fazerem alguns ajustes e aditivos para que o projeto seja economicamente viável. Há centenas de equipamentos já entregues por dezenas de empresas fornecedoras que nada têm a ver com o processo e que estão sendo penalizadas pela falta de entendimento entre a Estatal e o consórcio.
Em casa de enforcado não se deve falar em corda. Talvez por isso, depois dos escândalos descobertos pela Operação Lava Jato, liderados por políticos e ex-dirigentes da estatal, a palavra ‘aditivo’ tenha se transformado em demônio, mesmo quando justo. Ninguém quer mais a responsabilidade de assumir um pleito feito por empresas e assinar a autorização para pagamentos. Por isso, o consórcio não recebeu. Seus fornecedores muito menos.
Já existe um movimento entre as dezenas de empresas fornecedoras que não receberam em se organizarem e passarem a fazer algum tipo de entendimento diretamente com a Petrobrás. No pátio do Estaleiro da QGI, há centenas de caixas com equipamentos empilhados. Em algumas fábricas, há encomendas que foram feitas e que ainda não foram entregues. Prejuízo certo. O Petronotícias teve uma informação de que vários empresários prejudicados já estão se comunicando e em breve marcarão uma reunião entre eles para avaliarem que tipo de providência pode ser tomada em conjunto.
O Petronotícias foi ouvir o prefeito Alexandre Lindenmeyer, da cidade de Rio Grande, que desembarca no Rio de Janeiro na próxima segunda-feira (8) para a reunião com o DiretorRoberto Moro:
“Nós estamos acompanhando este processo há muito tempo. Desde que houve a divergência na execução dos dois projetos. Para a cidade, é bastante relevante que se consiga a retomada e que se ache um denominador comum entre o consórcio e a Petrobrás. Os 100% de economia que vão ser feitos mandando o projeto para exterior não voltam, não produzem nada aqui. Já os  80% de economia que seriam feitos aqui, ficariam aqui. Isso acende a economia. Criam-se empregos. Ganha-se em eficiência, em treinamento de mão de obra, em competitividade. Ganha-se acreditando  na qualificação da indústria brasileira.”
O prefeito considera que se a Petrobrás decidir produzir as duas plataformas no exterior ainda pode gerar atrasos:
“Certamente, se as plataformas forem realmente para a China, isso vai significar quase dois anos de atraso. Terá que ser relicitada. Precisa haver este entendimento. Um trabalho desta ordem implica em 4.500 empregos diretos e indiretos. É o que nós perdemos. Além de disso, três grandes empresas que iriam investir R$ 40 milhões para se instalarem aqui, desistiram. Eram empresas de spools, ar condicionado e galvanização. Seriam criados mais mil empregos e isso daria mais eficiência ainda para o estaleiro. Uma decisão sensata é deixar o projeto aqui.”
Para Lindenmeyer, a decisão de se tirar o projeto de Rio Grande terá outras implicações:
“Qual a segurança que uma empresa brasileira terá na nossa indústria naval? A Ecovix, por exemplo, tem um pleito para receber de R$ 63 milhões da Petrobrás e não recebe. O impacto para a nossa cidade é imenso.  Nós não somos virtuais. Os estaleiros estão aqui. Existem. Com certeza causará um efeito dominó. Tem muita coisa contratada e entregue, e muita coisa contratada em produção. O que essas empresas vão fazer? A desistência, a ruptura do contrato é danosa. Há um cenário de grave preocupação. Temos um polo petroquímico e educacional e o próprio porto, por onde saem 95% das exportações do nosso Estado, mas essa ruptura  contratual é muito grave. Vamos ver se na segunda-feira conseguiremos ter uma palavra melhor. Uma esperança.”
Fonte: PETRONOTICIAS

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Crise na Petrobras reduz pela metade o emprego no polo de Rio Grande



A crise na Petrobras causa impacto em Rio Grande, na Região Sul do Rio Grande do Sul. Dono de um extenso polo naval é o município gaúcho com os maiores investimentos da Petrobras no estado. Com a suspensão dos novos contratos com empresas citadas em denúncias de corrupção, o nível de atividade portuária diminui. O número de trabalhadores já caiu de 18 mil, em 2013, para 7 mil.

Grande são investigadas na Operação Lava-Jato. O Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande, que representa os trabalhadores, promete mobilizações para que a Petrobras garanta novas obras para o porto gaúcho. "Ou a gente cai na rua agora e faz essa mobilização, ou pegamos a mochila e vamos embora para casa porque acabou tudo", diz o presidente da entidade, Benito Gonçalves.

A baixa no número de empregados causa impacto em diversos setores, entre eles o imobiliário. Antes, faltavam opções de moradia para os trabalhadores que chegavam de fora da cidade, principalmente de outros estados. Atualmente, muitas residências que antes estavam ocupadas estão à venda ou disponíveis para aluguel.

No setor hoteleiro, o valor das diárias caiu 25%. Antes sempre lotados, os hotéis têm agora um ocupação baixa, que em alguns estabelecimentos não passa de 5%. A empresária Patrícia Benevides montou um negócio para fornecer lençóis a hotéis e alojamentos. Segundo ela, as vendas estão em queda. "A demanda caiu vertiginosamente", lamentou.


Os efeitos também são sentidos no comércio. "Estamos vivendo uma redução geral de 10 a 15%. Em alguns segmentos, com 20 a 25%, e excepcionalmente, 50%. Todos na expectativa de uma definição da Petrobras sobre essa situação que nos atinge profundamente", diz o presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Rio Grande, Carlos Pavão Xavier.

Fonte: g1.globo

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA