sábado, 5 de outubro de 2013

Atraso em obra da Petrobras pode gerar prejuízo de R$ 1,5 bilhão

Complexo petroquímico, em Itaboraí (RJ), deveria estar pronto há um mês.
Segundo a Petrobras, projeto será entregue somente em 2016.

 

O atraso de uma importante obra da Petrobras, que já deveria estar pronta há um mês, pode gerar um prejuízo de quase R$ 1,5 bilhão, diz o Tribunal de Contas da União (TCU). Em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o que se encontra ainda são obras e engarrafamento. Todos vivem a expectativa dos negócios que poderão ser gerados pela abertura do complexo petroquímico, o Comperj, mas vai ser preciso esperar ainda mais.

O complexo deveria ter ficado pronto no mês passado. Mas, segundo a Petrobras, a obra será entregue somente em agosto de 2016. O custo saltou de R$ 19 bilhões para mais de R$ 26 bilhões. Para o Tribunal de Contas, entre os motivos do atraso estão irregularidades na instalação das tubulações que vão interligar as unidades de refino. Um contrato de R$ 731 milhões.

Segundo o TCU, das três alegações apresentadas pela Petrobras - greves, dificuldades financeiras e chuvas - apenas a paralisação dos trabalhadores por 72 dias poderia justificar algum atraso nas obras. As demais falhas, diz o tribunal, são injustificadas e de responsabilidade da empresa contratada.

Até abril deste ano, a MPE Montagens e Projetos Especiais, que venceu a licitação das tubovias, tinha avançado 15% nas obras, bem menos do que o previsto, que era 42%.

O Tribunal de Contas da União não aceita a chuva como desculpa porque o contrato afirma que a empresa devia estar preparada para trabalhar nessas condições. A cobertura existente, segundo o tribunal, foi levada pelo vento. “Atualmente, já se verificou que o atraso, na casa dos sete meses, já pode impactar a entrada em operação da refinaria”, explica Eduardo Nery Machado Filho, secretário de fiscalização de Obras de Energia e Saneamento do TCU.

Para o tribunal, "se o atraso se mantiver, o prejuízo será de R$ 1,4 bilhão. Numa auditoria anterior, o órgão apontou sobrepreço na licitação. A MPE venceu com oferta R$ 162 milhões mais alta que a concorrência. Três empresas, segundo o tribunal, foram desclassificadas de forma irregular. Além disso, o relatório aponta que o cadastro da MPE na Petrobras mostrava "péssimo desempenho na prestação de serviços".

O tribunal chegou a recomendar uma nova licitação, mas voltou atrás para evitar prejuízo ainda maior aos cofres públicos. A MPE informou que não poderia se pronunciar por causa de uma cláusula de confidencialidade do contrato. A Petrobras garante que o atraso será superado e nega as irregularidades. “A discussão técnica basicamente e nós vamos mostrar que os preços são adequados. De forma nenhuma, nós estamos causando um prejuízo à Petrobras nem ao erário”, defende Maurício Guedes, gerente-executivo de engenharia para abastecimento da Petrobras.

Fonte: Jornal da Globo

 

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA