quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Trabalhadores do Comperj rejeitam proposta de 7%

Os trabalhadores dos consórcios que realizam as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, região metropolitana do Rio, rejeitaram a proposta de reajuste salarial de 7% feita pelas empresas. A decisão de continuar a greve, iniciada em 11 de fevereiro, foi tomada em assembleia na manhã desta terça-feira, 18.
"Eles rejeitaram a proposta dos patrões, que foi irrisória", disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Gonçalo e Região (Sinticom), Manoel Vaz. Os operários reivindicam 15% de reajuste salarial e vale-alimentação no valor de R$ 500, além de alojamento para os que vêm de fora do município.
A assembleia do sindicato foi realizada no Trevo da Reta, em Itaboraí, no acesso ao Comperj. O Sinticom calcula que 20 mil trabalhadores tenham participado. Ao todo, o complexo tem um efetivo de 29,2 mil homens. Os trabalhadores também recusaram a recomendação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de dar uma trégua na greve para facilitar as negociações. "A greve continua, por tempo indeterminado", disse Vaz.
Na quarta-feira, 19, o TRT fará uma nova audiência de conciliação entre as partes. As empresas pedem na justiça a suspensão da greve e o desconto dos dias parados. O Sinticom também agendou uma assembleia, para quinta-feira, 20, para manter os trabalhadores atualizados sobre a negociação.

    De olho nos acontecimentos...

    De olho nos acontecimentos...

    Galo Até Morrer!!!

    Galo Até Morrer!!!
    Super Galo

    Minha Princesinha

    Minha Princesinha

    Galerinha do Barulho rsrsrs...

    Galerinha do Barulho rsrsrs...
    Filhotes, Filhos

    Minha vida

    Minha vida
    Família

    EU E MINHA TURMINHA LINDA

    EU E MINHA TURMINHA LINDA
    FAMÍLIA