terça-feira, 17 de setembro de 2013

Operários lamentam ausência de Dilma em Rio Grande (Frustração)!!!

Trabalhadores do Polo Naval ansiavam por medidas para deter o enxugamento de vagas

Em Rio Grande, operários retiram faixa de boas-vindas depois de serem informados do cancelamento da visita da presidente Foto: Diego Vara / Agencia RBS

Nilson Mariano

nilson.mariano@zerohora.com.br

Um dos construtores da P-55 e que está aflito sobre o corte de vagas no Polo Naval, o mecânico Luciano Quintana, 41 anos, ficou decepcionado com a ausência de Dilma Rousseff. Esperava que a presidente pudesse desfazer o clima de desalento, causado pela média diária de 90 demissões — o cálculo é do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e São José do Norte.

Ao contrário de outros trabalhadores, que ignoravam a desistência de última hora, Quintana estava atento às notícias desde cedo. Segurando o capacete à mão, com o uniforme azul-marinho da empresa, lamentava-se, cabisbaixo:

— Fiquei chateado. Foi criada toda uma expectativa, prepararam tudo para receber a Dilma.

Quintana e os colegas queriam entregar a P-55 diretamente para a presidente. Parte deles será remanejada para a construção da P-58, mas já sabe que não haverá vaga para todos.

— Sou ciente de que uma obra termina, não é para a vida toda, mas há muita indefinição — disse Quintana, pai de uma filha e morador de Rio Grande.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e São José do Norte, Benito Gonçalves, destacou que a situação é preocupante. Calculou que, dos 24 mil operários do auge do Polo Naval, sobraram em torno de 19 mil com a conclusão gradual das obras.

— Está havendo uma média de 90 desligamentos por dia, desde o início do mês — disse.

Sindicatos entregariam lista de reivindicações

Benito assegurou que Dilma seria bem recebida, como aconteceu na visita de setembro do ano passado, até porque trouxe a promessa de mais duas plataformas, o que pode reverter, ao menos parcialmente, as demissões. No entanto, oito sindicatos — metalúrgicos, caminhoneiros, operários da construção civil e outros — pretendiam entregar um documento à presidente, com reivindicações específicas para cada categoria.

— Para os metalúrgicos, é mais atenção aos empregos no Polo Naval — disse Benito.

No Estaleiro Rio Grande, onde Dilma seria recepcionada, o cenário era de frustração. Às 9h30min, os operários Jefferson Fonseca (23 anos, de São Paulo) e Diego Eleto da Silva (20 anos, de Minas Gerais), não sabiam do cancelamento da cerimônia.

— Ela não vem? Mas todos nós estamos na expectativa — surpreendeu-se Jefferson.

Comerciantes que se estabeleceram com tendas em frente ao estaleiro, às margens da rodovia, também lastimaram a ausência. Vera Lúcia Pavelak, 40 anos, que vende café e sanduíches aos operários, desejava, pelo menos, abanar de longe para Dilma.

— Na última visita, consegui ver ela — contou.

Funcionários da Petrobras realizaram uma cerimônia informal, de entrega da P-55, mas sem permitir o acesso a jornalistas. Afixada à entrada do estaleiro, a faixa "Bem-vinda, presidenta Dilma" — do jeito que ela gosta, com a flexão feminina do cargo — não teve a quem saudar.

Fonte: Zero Hora

 

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA