domingo, 11 de janeiro de 2015

Em crise, Engevix estuda venda de aeroportos, hidrelétricas e estaleiro

Assim como outros investigados pela Operação Lava-Jato, o grupo Engevix (ou Jackson Empreendimentos) enfrenta fortes dificuldades para obter crédito no mercado para suas operações. Em meio à pior crise de sua história, a companhia prepara a venda de parte de seu portfólio para levantar caixa.

Conforme apurou o Valor, o grupo atualmente estuda diferentes possibilidades de vendas, localizadas em três dos quatro principais braços de atuação. Mas a intenção é se desfazer de apenas alguns dos ativos analisados. Com R$ 3,3 bilhões de faturamento (ao fim de 2013, dado mais recente disponível), a holding estuda até sair totalmente de uma de suas subsidiárias - a de energia.

Entre as oportunidades estudadas, está a venda da participação no estaleiro Ecovix (R$ 1,8 bilhão em faturamento ao fim de 2013). Essa companhia tem dois contratos com a Petrobras e com a Sete Brasil para a construção de três sondas de perfuração e oito cascos para plataformas do pré-sal. O estaleiro fica em Rio Grande (RS). A previsão, até há alguns meses, era que todas as unidades para a petroleira entrassem em operação até 2017. Procurado, o grupo não confirmou as informações.

Em 2013, um grupo de cinco empresas japonesas lideradas pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI) comprou 30% da Ecovix por cerca de US$ 300 milhões, o que daria inicialmente à participação da Engevix um valor de US$ 700 milhões - valor que pode mudar conforme avaliação financeira de compradores eventualmente interessados.

Outra opção estudada pelo grupo é a venda da Desenvix, de energia (R$ 211 milhões em receita ao fim de 2013). Seus atuais acionistas são a Engevix (com 40,65%, por meio de um fundo), a norueguesa Statkraft (40,65%) e o fundo de pensão Funcef (18,7%). Neste caso, a compradora pode ser a própria Statkraft - que já teria manifestado interesse na fatia antes mesmo de a Operação Lava-Jato surgir. Maior geradora de energia renovável da Noruega, a companhia possui 391 usinas com capacidade total de 17,6 mil MW em mais de 20 países.

Quando entrou no negócio, em março de 2012, a Statkraft investiu R$ 725 milhões (valor da época). Com base nesse montante e na correção monetária, a Engevix poderia arrecadar cerca de R$ 850 milhões caso decida vender toda a participação na Desenvix. Mas o grupo também avalia vender, em vez de toda a fatia na empresa, apenas algumas de suas pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).


Além de Desenvix e Ecovix, o grupo estuda a venda de ativos da Infravix (não foi divulgado o faturamento ao fim de 2013), conforme o Valor já noticiou. Essa companhia tem 51% da Inframérica, controladora dos aeroportos de Brasília (DF) e São Gonçalo do Amarante (RN). O mercado acompanha com interesse o assunto, sobretudo em relação ao terminal da capital federal. Já o empreendimento nordestino ainda é visto com pouco potencial de crescimento, o que pode limitar grandes propostas. Além dos aeroportos, a Infravix tem participação na ViaBahia, concessionária de rodovias.


O único braço principal que não é alvo de estudos para venda é a Engevix Engenharia, companhia criada há 50 anos para atuar principalmente em projetos. Depois transformada em construtora, a empresa foi responsável por alavancar os demais negócios.

Desde 1997, são donos do grupo o trio de engenheiros José Antunes Sobrinho, Cristiano Kok e Gerson de Mello Almada (Jackson, inclusive, é uma junção dos nomes dos três). Almada está preso pela Polícia Federal. Kok sofreu condução coercitiva (quando o alvo deve acompanhar os agentes para depoimento). A sede da empresa, em Barueri (região metropolitana de São Paulo), passou por ação de busca e apreensão.

Outros grupos investigados na Lava-Jato também encontram dificuldades na obtenção de crédito no mercado. Conforme o Valor adiantou em dezembro, a OAS estuda a vender diferentes ativos em seu portfólio, como a fatia de 25% na Invepar - que controla o aeroporto de Guarulhos. As declarações foram dadas a credores por Fábio Yonamine, presidente da OAS Investimentos.

Fonte: Valor Econômico/Fábio Pupo | De São Paulo

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA