terça-feira, 25 de agosto de 2009

POLO NAVAL - RS.

Polo naval começa a ganhar forma no Rio Grande do Sul.

Neste mês se define quem vence contrato de US$ 3 bilhões

Marta Sfredo

Com a fase final da licitação que vai definir o responsável por abrir os trabalhos da fábrica de cascos em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, o polo naval gaúcho ganha velocidade de cruzeiro. Até o final do mês, serão dados passos essenciais para transformar a cidade portuária em um dos primeiros resultados das descobertas na camada pré-sal. Em jogo, está um contrato que pode passar de US$ 3 bilhões em sete anos.

Conforme as regras da licitação, o vencedor deverá usar a estrutura do Estaleiro Rio Grande, conhecido por abrigar o dique seco, para construir em série oito cascos de plataformas de produção de petróleo que vão atuar em campos do pré-sal.

É o cumprimento do compromisso do presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, em 3 de abril de 2008, quando anunciou a fábrica de casos em Rio Grande. Cada unidade tem custo estimado em US$ 400 milhões – que os concorrentes consideram uma espécie de piso. Multiplicado por oito, o valor do contrato passa a ter piso de US$ 3,2 bilhões.

Até agora, ao menos cinco consórcios se formaram para a disputa. Apenas um desses cinco não confirmou a Zero Hora que vai apresentar propostas nos dias 14 e 21, conforme estipulado. O gerente de implementação de projetos da Petrobras, Antonio Carlos Justi, confirma que a construção do primeiro casco deve levar 36 meses. A ideia é uma produção em série – como uma montadora de navios. Isso permitirá que os seguintes saiam a cada seis ou oito meses.

– O primeiro deverá estar pronto em 2012 – estima Justi.

Cascos darão origem a plataformas completas

À medida que os cascos cheguem ao final da linha de montagem, a Petrobras fará licitações para completar as plataformas. Será a etapa conhecida como integração de módulos – já realizada em Rio Grande no caso da P-53 e retomada agora com a P-55.

– É possível que a integração também seja feita em Rio Grande, porque se torna bastante provável que as empresas que estiverem trabalhando lá sejam bem-sucedidas para continuar no local – adianta Justi.

Embora algumas das concorrentes projetem para outubro a assinatura do contrato para a construção dos casco, Justi evita falar em prazo. Só admite que a meta da Petrobras é acertar tudo até o final do ano.

Quem vencer a licitação, adianta Justi, vai administrar a operação do Estaleiro Rio Grande. A Petrobras supervisionará. Dona das intalações arrendadas à Petrobras, a WTorre também cuidará de seu patrimônio – isso se não for a própria usuá- ria, já que participa da licitação em parceria com a Keppel Fels. A obra coordenada pela WTorre, informa Eduardo Moraes, gerente de projeto, atingiu seu pico, com 1,5 mil homens no local. A partir de agora, com a aproximação do final dos trabalhos, esse número tende a cair.

Mesmo se não vencer a disputa, a empresa pretende manter os planos de implantação dos estaleiros ERG2 e ERG3, que construiriam cascos para outros grupos internacionais. Como não têm dique seco, as duas instalações representam juntas investimento adicional de R$ 500 milhões. O ERG1, com seu dique seco ampliado, é orçado atualmente em R$ 700 milhões.

ZERO HORA
http://www.clicrbs.com.br/canalrural/jsp/default.jspx?uf=2&id=2604296&action=noticias

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA