terça-feira, 22 de junho de 2010

Empresas gaúchas disputam US$ 22 bi

MOVIDAS A PETRÓLEO

Meta de indústrias do Rio Grande do Sul é conquistar 10% dos investimentos anunciados ontem pela Petrobras até 2014

Diante do investimento de US$ 224 bilhões anunciado ontem pela Petrobras até 2014, empresas gaúchas afinam seus planos para abocanhar ao menos 10% dos contratos da estatal. Essa é a meta de médio prazo, segundo Marcus Coester, coordenador do comitê de competitividade de petróleo, gás e energia da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs).

Entre as companhias com potencial para abocanhar parte desse gigante pacote de investimentos, o empresário aponta três grupos básicos: as fornecedoras tradicionais da estatal, como Altus e Lupatech, as que migraram de seus ramos originais, como Metasa e Intecnial, e as que ainda estão avaliando como aproveitar o potencial, caso de companhias como Gerdau, Randon, Taurus e Voges (antiga Eberle).

– Há uma série de nomes importantes que estão estudando entrar no segmento – reforça Coester, ele mesmo à frente de uma empresa com 65% dos negócios vinculados à Petrobras.

Segundo Nelson Felizzola, diretor de integração de sistemas da Altus, nos últimos quatro anos, o faturamento saltou de R$ 32 milhões para R$ 82 milhões, em grande parte graças a contratos com a estatal, especialmente para modernizar plataformas já em operação:

– A Petrobras é nossa principal cliente.

Para as que migraram, afirma Coester, foi fundamental a implantação do polo naval de Rio Grande, que teve na montagem da P-53 seu ponto de partida. A confirmação da construção em série de oito cascos, que darão origem a plataformas, permitiu planejar contratos de longo prazo com base em produção no Estado. Desde o final da década de 90, com os primeiros projetos de ampliação da Refap, a indústria gaúcha trabalha para se credenciar como fornecedora da Petrobras.

– O Estado ainda não tem petróleo, mas tem equipamentos para produção e duas grandes vantagens: área disponível em portos e estrutura industrial qualificada – diz Coester.

Estado fornece hoje menos de 2% dos suprimentos diretos

Há duas semanas, a Lupatech, com sede em Caxias do Sul, assinou contratos com a Petrobras no valor de R$ 1,45 bilhão. Sete dias depois, foram outros R$ 123 milhões.

– À medida que os investimentos da Petrobras crescem, empresas que fornecem equipamentos e serviços têm seu mercado ampliado. Como vão aproveitar esse potencial vai depender de capacitação – ensina Thiago Oliveira, diretor de finanças e relação com investidores da empresa, com a autoridade de quem descobriu o caminho das pedras.Apesar do empenho das pioneiras, revela Coester, hoje menos de 2% dos suprimentos diretos da Petrobras é feito por empresas gaúchas. Por isso, admite que a meta de chegar a 10% em cinco anos é “ousada”, mas tem base na tradição industrial do Estado e no planejamento que a exigência de fabricação nacional permite:

– A constância do aumento dos planos de investimento da Petrobras permite às indústrias compreender as oportunidades abertas e que investimentos podem fazer para que Rio Grande seja a hélice desse crescimento. Hélice movimenta, e âncora faz ficar parado.
            

Fonte: jornal Zero Hora

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA