domingo, 13 de junho de 2010

Pesquisa inédita no Brasil monitora torcedores vítimas de infartos e de outros males cardíacos em época de Copa do Mundo

Daqui a dois dias, quando a seleção entrar em campo, milhões de corações brasileiros estarão prontos para vibrar com cada jogada — ou, pelo menos, xingar o juiz, reclamar da escalação e protestar contra faltas mal cobradas. Esses mesmos corações ficarão ansiosos antes de cada partida, se encantarão com gols exuberantes e, quem sabe, ficarão orgulhosos quando o Brasil erguer a taça. Mas toda essa emoção reunida e acumulada nos 90 minutos de cada jogo pode ser uma verdadeira bomba para o coração do torcedor. Literalmente. O perigo é tanto que a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) decidiu fazer uma pesquisa inédita no Brasil para levantar a ocorrência de problemas cardíacos durante o mundial de futebol.

O estudo será feito em 17 hospitais de oito cidades, entre elas, Brasília. Os médicos farão o acompanhamento de atendimentos em prontos-socorros — no dia anterior a cada jogo da seleção, no dia da partida e dois dias depois. Um dos instrumentos de trabalho dos pesquisadores é o questionário online com perguntas sobre as circunstâncias do mal-estar — se a pessoa bebeu, fumou, em qual momento exato do jogo os sintomas apareceram. Os especialistas também registrarão a idade do paciente, a pressão arterial, o resultado do eletrocardiograma e os fatores de risco. A ideia é fazer uma relação entre a ocorrência desses problemas e traçar estratégias de prevenção para a Copa de 2014.


Clique para ampliar - ()

“Vamos verificar a quantidade de infartos, arritmias e derrames cerebrais. O estresse é o gatilho que desencadeia esses processos no organismo. Já foi verificado que isso acontece durante tragédias, queremos apurar se com o esporte também é assim”, detalha o cardiologista Nabil Ghorayeb, coordenador da pesquisa. É claro que nem todo torcedor emocionado vai sofrer um ataque cardíaco, mas não custa se precaver. “Cada um reage de um jeito. Tem gente que libera mais adrenalina. Mas se a pessoa tiver parentes com problemas cardíacos, o melhor é evitar as fortes emoções”, aconselha o cardiologista Vicente da Motta, do Instituto do Coração de Taguatinga. A expectativa dos responsáveis pela pesquisa é atender cerca de 5 mil pessoas até o fim do mundial de futebol.

Defesa perigosa
A adrenalina é o hormônio que desencadeia esses problemas. A substância é liberada pelas glândulas suprarrenais e pelo cérebro, quando o organismo está sob forte tensão, como uma forma de defesa. O problema é que o excesso de adrenalina aumenta a pressão e pode provocar o entupimento de veias e artérias. O cirurgião Reinaldo Oliveira Silva, 60 anos, sabe o que isso significa. Filho de hipertenso, ele sofreu um infarto em 2004 enquanto jogava uma partida de futebol. Hoje ele toma remédios para controlar a pressão arterial e faz dieta.

Em dia de jogo do Vasco, Reinaldo sente na pele os efeitos da ansiedade. “O nervosismo aumenta à medida que chega o dia da partida. Mesmo sabendo que o time não está lá essas coisas, fico ansioso, sinto os pés frios. Com a seleção brasileira isso é ainda pior”, diz o cirurgião. Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia apontam que 315 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil vítimas de problemas cardíacos. É a principal causa de morte no país, ficando à frente do câncer. E para quem acha que o futebol não é capaz de balançar o coração, o cardiologista Nabil Ghorayeb lembra que, durante a Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, uma pesquisa semelhante à que será feita no Brasil registrou 4.279 infartos naquele país.


Fonte: Carolina Vicentin - informesaude

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA