quarta-feira, 18 de julho de 2012

Sul recebe empregos navais repudiados no Nordeste

O Nordeste, com exceção de Pernambuco, tem afastado estaleiros e perdido empregos. Enquanto isso, cria-se um pólo naval no Rio Grande do Sul, com quatro estaleiros, que já está gerando 7.500 empregos e vai chegar a 10 mil. Que política é essa, de estados como Ceará e Alagoas? Em Pernambuco, o governador Eduardo Campos não deixa a burocracia impedir o progresso. Em área de população de baixíssima renda, lá está o estaleiro Atlântico Sul. Mesmo com seus problemas, emprega milhares de pessoas. E informa-se que o STX-Promar-PE já está contratando 500 pessoas. 



Esse estaleiro estava programado para Fortaleza (CE), onde prefeita e governador viram agressões ao ambiente; o ambiente continua como era e, na região, há pobreza aguda e elevada prostituição -inclusive infantil. E o estaleiro foi para Pernambuco. Agora, Ibama, Instituto Chico Mendes e outros não aprovam a instalação do Eisa Alagoas. Todos sabem que esse estado disputa com o Maranhão os piores lugares em educação, saúde, nutrição e tudo mais. Com a redefinição de local, haverá adiamento ou até cancelamento da obra, pois todos sabem que as oportunidades têm de ser aproveitadas na hora certa. 
O contrário ocorre no Sul - região já muito mais próspera do que o Nordeste. Em visita à sede do Sindicato da Construção Naval (Sinaval), no Rio, o prefeito de Rio Grande (RS), Fábio Branco, mostrou empolgação com o pólo naval. Lá estão prontos os estaleiros Quip e Ecovix, e o Wilson, Sons recebeu licença dos burocratas ambientais. Ao lado, em São José do Norte, ficará o EBR. Só de contratos com a Petrobras os valores passam de R$ 10 bilhões. Na região estão sendo montadas as plataformas P-55, P-63 e P-58, além do processo de construção inicial de oito cascos em seu dique seco para a Petrobras. Todos esses empreendimentos estão gerando 7.500 empregos diretos e com perspectiva para os próximos meses de chegar a 10 mil empregos diretos na região gaúcha. 
O Ceará foi passivo. Ao perder o estaleiro, a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, disse confiar que Lula para lá mandaria outro empreendimento - o que não ocorreu. Em Alagoas, a classe política está mais consciente. Há dias, a bancada pressionou a União, mas a ministra do Ambiente, Izabella Teixeira, disse que o veto do Ibama era técnico. Esqueceu-se que, nessa área, a tecnicalidade é relativa. O Rio de Janeiro, com rios assoreados e lagoas poluídas, há 30 anos não consegue limpar a Baía da Guanabara e, mesmo assim, virou patrimônio mundial. Os portos de Santos e Rio - pasmem - não possuem licença ambiental e operam a todo vapor. Sem pressão política, Alagoas perderá os 4 mil a 5 mil empregos do Eisa. 

Fonte: Monitor Mercantil


De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA