sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Autonomia ou controle?

Educadores têm sempre sérias dúvidas sobre o quanto conceder ou cercear liberdades aos jovens em formação. Olhando o recente descontrole de alguns estudantes da USP que a tudo recusam, inclusive o cumprimento de uma decisão retirada de assembléia da própria classe; e vendo que, embora sejam representantes de classes privilegiadas, aquelas que têm acesso ao ensino de alta qualidade pago pelos impostos de todos, cobrem o rosto como se estivessem à margem, o impasse parece imenso.

José Pacheco, idealizador e coordenador da escola portuguesa da Ponte, reconhecida em todo o mundo pelo projeto educativo inovador, fortemente estruturado na autonomia dos estudantes, declara constantemente que muito cedo seu grupo de professores compreendeu que “precisavam mais de interrogações que de certezas”, e empreendeu um caminho feito de alguns pequenos êxitos e de muitos erros, dos quais continuam a colher  ensinamentos, para garantir oportunidades educacionais e realização pessoal para seus alunos.

A discussão sobre autonomia é imperativa; no Brasil praticamente todas as escolas, tanto públicas quanto privadas, funcionam em uma lógica administrativa e burocrática, e poucas tem se pautado, efetivamente, por um norteamento pedagógico, embora este esteja presente em discurso – principalmente no midiático – da grande maioria delas.

Autonomia é considerada condição fundamental para a inovação e o empreendedorismo, temas tão caros ao ensino hoje em dia, contudo, o quanto desta é possível ou desejável, aos alunos, funcionários e professores, está longe de consenso.

A maior parte dos gestores de todos os tipos de organizações, incluídas as educacionais, é formada em escolas cujos administradores são centralizadores, e aquilo que aprenderam na prática cotidiana, quando seus educadores não estavam conscientes de ministrar uma aula, talvez seja a mais completa lição possível de ser oferecida à sociedade como um todo.

O dilema entre controlar ou conceder liberdade criativa é conhecido por todos os professores na condução de seus alunos, pois perder o controle sobre crianças ou adolescentes, numa sala contendo dezenas deles, pode ter consequências imprevisíveis. Assim, a concessão de autonomia deveria ser feita dentro de certos limites; todavia, pela extrema dificuldade em defini-los, a tendência será restringir ao máximo o livre-arbítrio, garantindo a ordem e a disciplina, o que facilita, mas nem sempre permite atingir objetivos.

Escolas formam quadros para a sociedade, estão em íntimo contato com o mercado e com a sociedade civil organizada, e, numa democracia, a compreensão das metas educativas envolve a ética, tanto da escola quanto do docente e discente. Sem autonomia, existirão simples cumpridores de ordens, automaticamente isentos de responsabilidade, meros prestadores de serviço num ambiente que muitas vezes será autoritário e opressor. No entanto, como ignorância exige menos esforço e dedicação, certa governabilidade beneficia o ato educativo, civilização implica, sim, em delimitar o selvagem que está sempre à espreita dentro de cada um; desregrados e rebeldes raramente são felizes ou produtivos, embora, como toda regra, esta também tenha suas exceções.

No ensino universitário, a questão da autonomia é ainda mais crítica, o conflito entre enquadrar-se às regras da obediência e subordinação, ou procurar a qualidade de ensino através da inovação, é urgente. Isso demanda reflexão e trabalho, pois, a decisão do quanto de liberdade para a manifestação da competência é possível ou desejável é tarefa imensamente complexa.

Uma escola está sempre relatando o passado, o já feito, o anteriormente descoberto; porém, ao mesmo tempo, como lugar de diversidade, apontando o futuro, o novo, o inesperado. Ampliar ou reduzir autonomia estará sempre no cerne do conflito educacional, já que, lembrando Rousseau, “o princípio inspirador do pensamento democrático é a liberdade, compreendida como autonomia”.

 

*Wanda Camargo, educadora e presidente da Comissão do Processo Seletivo das Faculdades Integradas do Brasil - UniBrasil.

Wanda Camargo*

 

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA