quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Estaleiro atrasado dificulta produção de óleo da Petrobras

Atlântico Sul não conclui P-55, que segue para o RS; prejuízo da estatal pode ser de R$ 15 mi por dia.

Esperada para o ano que vem, plataforma só sairá em 2013, e entrega de navio demora tanto que vira motivo de piada
.

A Petrobras terá sua produção prejudicada em 2012 devido ao atraso nas obras da plataforma P-55, cujo casco foi entregue na semana passada. A encomenda chegará com 15 meses de atraso, pelo estaleiro Atlântico Sul (PE).

A plataforma deveria ter entrado em operação no segundo semestre, mas só vai começar a produzir em 2013.

A P-55 está seguindo para o estaleiro Rio Grande (RS), onde será finalizada.

Estima-se que a estatal deixará de faturar pelo menos US$ 15 milhões por dia com o atraso. A conta considera uma produção média de 180 mil barris e o barril do petróleo cotado a US$ 100.

Para ter ideia do problema, um projeto semelhante ao da P-55 começou a ser construído um ano depois e já está em operação. A P-56 foi construída pelo estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis. A plataforma produz desde agosto no campo de Marlim Sul, na bacia de Campos.

A P-55 não é o único problema da Petrobras no Atlântico Sul, estaleiro que tem as empresas Camargo Corrêa e a Queiroz Galvão como sócias. O navio João Cândido, encomendado pela Transpetro, virou motivo de chacota do mercado naval, segundo palavras de um executivo ligado ao setor.

'ESTALEIRO VIRTUAL'

O navio deveria ter sido entregue há quase dois anos, mas a construção da embarcação se arrasta até hoje e ainda não foi concluída. Comenta-se no mercado naval que houve problemas estruturais na concepção do projeto, e o navio estaria torto, necessitando ser reparado.

O Atlântico Sul nega o rumor e afirma que a certificadora internacional ABS (American Bureau of Shipping) atestou que o navio João Cândido está em ordem.

O mais recente balanço do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), no entanto, coloca a obra em estado de atenção e também atesta o aumento de US$ 500 milhões em seu custo, na comparação com a estimativa inicial, de US$ 1,2 bilhão.

"O navio está em fase final de acabamento, vistorias de construção e comissionamento para ser entregue ao cliente. Jamais foi discutida com a Petrobras a necessidade de transferência da embarcação para outro estaleiro no Brasil ou fora do país", afirma o estaleiro, por meio da assessoria de imprensa.

O João Cândido foi lançado ao mar com pompa no ano passado, em cerimônia na qual compareceram o ex-presidente Lula e Dilma Rousseff, então pré-candidata à Presidência. Era a vedete do decantado Promef (Programa de Modernização da Frota da Transpetro) e seria o primeiro navio construído no Brasil depois de 14 anos.

Com o atraso, acabou perdendo esse posto para o navio Celso Furtado, que foi entregue no mês passado pelo estaleiro Mauá.

Segundo o Atlântico Sul, o atraso se deve principalmente ao fato de o navio ter sido a primeira obra do estaleiro, que foi impactada pela demora no processo de aprendizagem dos funcionários. Afirma ainda que uma greve dos operários atrapalhou o andamento das obras.

A vitória do Atlântico Sul na licitação para construir o João Cândido foi criticada na época por alguns setores do mercado naval. O estaleiro ainda não tinha sido construído e foi apelidado de "virtual" pelo então secretário da Indústria Naval do Rio de Janeiro, Wagner Victer.

Fonte: Folha de SP

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA