quinta-feira, 27 de março de 2014

Atraso no transporte de equipamentos dá prejuízo de R$ 1,5 bi à Petrobras

A falta de planejamento adequado para a construção da Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro) fará com que a Petrobras tenha um prejuízo de R$ 1,7 bilhão.

É o que aponta relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) que analisou os gastos da Petrobras para a compra e transporte de equipamentos pesados para a refinaria.

De acordo com o relatório da área técnica realizado ano passado e em poder do Congresso Nacional, a estatal comprou 14 desses grandes equipamentos da refinaria do Rio (alguns com mais de mil toneladas) em países como Coreia do Sul, Itália e Índia ao valor de R$ 317 milhões.

A Petrobras ficou com o encargo de levá-los até a cidade de Itaboraí, onde a unidade está em construção. As empreiteiras contratadas para a obra da refinaria seriam responsáveis pela montagem desses equipamentos.

Os equipamentos começaram a chegar ao porto do Rio de Janeiro em agosto de 2011 e foram todos entregues no prazo de um ano.

Mas a estatal não conseguiu cumprir os prazos para criar um sistema de transporte adequado para levar as máquinas até a refinaria, que fica a cerca de 70 km do porto.

Atrasos na liberação de licenças e desapropriações para o sistema de transporte que a estatal elaborou resultaram em estouro dos prazos.

O resultado é que os equipamentos estão armazenados no porto ou em outros locais da cidade até hoje. Só com esse custo, o prejuízo da estatal era até o ano passado de R$ 20 milhões, segundo o TCU.

PREJUÍZO MAIOR

O prejuízo no entanto será ainda maior porque os custos de implantação do sistema de transporte para levar os equipamentos até a refinaria, que incluem novas estradas e uma hidrovia, será R$ 207 milhões maior que o previsto.

Como o sistema de transporte está atrasado, as empresas responsáveis por montar os equipamentos estão cobrando da Petrobras por isso. O TCU aponta que esses atrasos vão elevar o custo das obras dessas unidades – estimadas inicialmente em R$ 5,5 bilhões– em mais R$ 1,5 bilhão.

Os técnicos do TCU sugeriram ao relator do processo, ministro Raimundo Carreiro, que ouça oito dirigentes da Petrobras para que eles se justifiquem sobre as falhas.

O relatório da área técnica ainda vai ser votado pelo plenário do órgão. A Petrobras recebeu o relatório e informou que não se pronunciaria.

O Comperj foi anunciado em 2006 com previsão de estar operando em 2010. A obra foi estimada então em US$ 8,4 bilhões. A previsão mais recente é que o complexo só comece a operar em 2016 e que seu custo passe dos US$ 15,7 bilhões (R$ 36 bilhões).

Outros processos do TCU apuram outras irregularidades na construção dessa unidade que podem levar a prejuízos estimados até o ano passado em R$ 1 bilhão.

Fonte: Portos & Navios

 

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA