terça-feira, 11 de outubro de 2011

Casco da P-58 deve entrar no porto nesta terça-feira


Casco da P-58 deve entrar no porto nesta terça-feira
Operação de entrada do casco foi detalhada pelo capitão dos portos Sérgio Luiz Correia de Vasconcelos.
Está prevista para esta terça-feira a entrada do casco da plataforma P-58 no porto rio-grandino. O navio MT Welsh Venture, que será convertido em casco da Petrobras 58, chegou a área do Rio Grande em 20 de setembro e ficou fundeado a 12 milhas da entrada do porto. Amanhã, se as condições climáticas previstas se concretizarem, a operação de ingresso terá início às 5h30min, como ficou decidido nesta segunda, 10, em reunião entre a Petrobras e demais envolvidos na ação.
Conforme o plano aprovado pela Capitania dos Portos, o navio deixará a área de fundeio navegando com meios próprios até seis milhas antes da boia 1, localizada a aproximadamente três milhas dos molhes da Barra. A partir deste ponto, ele será puxado por quatro rebocadores. A previsão é de que ele cruze a boia nº 1, às 8h, seguindo em direção ao canal de acesso. A operação, contando da boia 1, deve durar seis horas.
Devido às dimensões do navio, à existência da antiga linha aérea de transmissão de energia elétrica para São José do Norte, que atravessa o canal e ainda não foi removida, e de pontos de assoreamento, a entrada exigirá procedimentos especiais. Por causa da linha aérea, por exemplo, a embarcação entra no canal, segue até a frente do Tecon e, neste ponto, desvia do canal e passa pela lateral direita (lado nortense) deste, onde os cabos aéreos estão a cerca de 80 metros da água. O casco da P-58 tem altura de 59 metros, mas entrará com calado de seis metros, o que o deixará com altura de 63 metros. O trecho da lateral pelo qual a embarcação fará o desvio estará delimitado com balões.
Após a passagem sob os cabos aéreos, o navio volta para o canal, pelo qual faz o resto do trajeto. O Welsh Venture ingressará no canal de acesso de proa e assim prosseguirá até a altura da Ponte dos Franceses, onde fará um semigiro para navegar até o Porto Novo e atracar na ponta sul do cais da área da Quip S/A de popa, ou seja, com a proa voltada para o Superporto. No semigiro e a partir deste, ele será conduzido por seis rebocadores. A curva próxima ao Porto Novo é outro ponto sensível da operação, devido a assoreamento, por isso a embarcação estará com calado de seis metros.
Conforme o capitão dos portos, Sérgio Luiz Correia de Vasconcelos, os dois trechos mais críticos do trajeto são o que fica sob a linha aérea e a curva próxima ao Porto Novo, locais em que a passagem do casco da P-58 exigirá mais cuidados. Para esse planejamento foi necessária a realização de batimetria (estudo que indica as condições de assoreamento) e telemetria (para verificação da altura dos cabos aéreos em relação ao nível da água).
O Welsh Venture será convertido em casco da P-58 pela Queiroz Galvão, que também vai construir os módulos de geração e elétrico dessa plataforma e fazer a integração de todos os módulos no casco, inclusive dos que serão construídos no Rio de Janeiro. A empresa fará esse serviço em uma área ao lado do canteiro de obras da Quip, em Rio Grande.
A P-58 será uma plataforma do tipo FPSO (sigla em inglês para plataforma flutuante que produz, processa, armazena e escoa petróleo) e será instalada no norte do Parque das Baleias, no Espírito Santo. Terá capacidade de produção de 180 mil barris de óleo/dia e de compressão de 6 milhões de metros cúbicos de gás/dia. O investimento no projeto dessa plataforma será superior a 1,3 bilhão de dólares. 
Fonte: Carmem Ziebell
jornalagora.com.br

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA