segunda-feira, 7 de maio de 2012

Perdas do Estaleiro poderiam construir outro navio do tipo Suezmax (EAS)


A demora de quase 4 anos para construir o petroleiro João Cândido vai custar caro ao Estaleiro Atlântico Sul (EAS). O primeiro navio do empreendimento vai sair de Suape com preço 53% acima do valor estabelecido no contrato com a Transpetro. Atraso no cronograma, retrabalho e necessidade de reforçar a contratação de mão de obra fez o valor saltar de R$ 323,4 milhões para quase meio bilhão de reais (R$ 495 milhões), no acumulado de 2008 a 2011.

O atraso também provocou efeito dominó na construção dos outros 22 navios encomendados pela Transpetro, dentro do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef). No balanço divulgado esta semana pelo EAS, a empresa reconhece uma perda de R$ 333,4 milhões na construção das três primeiras embarcações. O valor do rombo é suficiente para construir outro petroleiro Suezmax.

No que depender do cliente, o Atlântico Sul terá que arcar com o prejuízo. Pelo menos é o que diz a Transpetro. Procurada pela reportagem do JC, a empresa informou que "pagará pelos navios encomendados ao EAS o preço estipulado em contrato. Não houve aditivos de valor". Especialistas em indústria naval afirmam que, por conta da curva de aprendizagem, a média histórica é que o primeiro navio de um estaleiro custe entre 15% e 20% mais caro.

"No caso do Atlântico Sul já era esperada essa explosão nos custos, provocada pela demora na entrega do João Cândido. Um navio que fica 2 anos a mais dentro de um estaleiro significa aumento dos custos fixos. Isso sem falar no superdimensionamento da mão de obra para entregar as encomendas e no retrabalho, porque soldas e tubulações precisaram ser refeitas", observa Floriano Pires Júnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O petroleiro começou a ser construído em setembro de 2008, com o corte da primeira chapa de aço. Em maio de 2010, o então presidente Lula esteve em Suape para a cerimônia de batismo e lançamento ao mar da embarcação. Na solenidade, a expectativa era que o navio fosse entregue em setembro do mesmo ano, mas ele continuou encalhado no estaleiro e a previsão é que seja entregue até 5 de maio (quando completará aniversário de 2 anos dentro do empreendimento).

A plataforma P55 – única encomenda entregue pelo estaleiro – também sofreu aumento de custo. O valor passou de R$ 823,6 milhões para R$ 1 bilhão. A situação não é diferente com o Zumbi dos Palmares (2º navio), que no contrato custa R$ 317 milhões, mas já está saindo por R$ 424,6 milhões (um ágio de 24%). A assessoria de comunicação do EAS disse que não tinha porta-voz para comentar o aumento de custos, porque a diretoria está imersa na entrega do João Cândido. O EAS já recebeu adiantamentos de pagamento da Transpetro para até o 22º navio. A estatal explica que adianta 5% do preço de cada navio, garantidos por fianças bancárias.

Fonte: Portos e Navios

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA