terça-feira, 7 de setembro de 2010

Modernização dos portos


O aquecimento da economia nacional vem proporcionando o aproveitamento dos portos como alternativa viável para a retomada da logística do transporte marítimo. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) priorizou investimentos, até dezembro vindouro, de 9,8 bilhões nas obras de dragagem e de acessos terrestres de 12 portos, dentre os mais movimentados, permitindo-lhes operar, proximamente, com embarcações cargueiras de grande porte.

Entretanto, um diagnóstico procedido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) alinhou a necessidade de ampliar as bases operacionais marítimas, diante dos estágios de defasagem dos ancoradouros nacionais, preconizando um processo de modernização mais amplo, elevando os investimentos para R$ 42,9 bilhões. A proposta do Ipea antevê bacias de evolução de até 18 metros de profundidade para atender, de modo especial, às embarcações chinesas de grande porte.

Durante décadas, o País subestimou o papel do transporte marítimo, colocando em escala secundária seu peso na logística de transportes. O mesmo fenômeno ocorreu em relação às ferrovias. A prioridade passou a ser atribuída ao transporte rodoviário, largamente beneficiado com linhas internacionais de empréstimos aos países em desenvolvimento. Os recursos alocados no PAC correspondem apenas a 23% do necessário.

Além da dragagem prioritária, alguns portos ganharão instalações para abrigar as novas estações de embarque e desembarque de passageiros. Essa infraestrutura servirá aos projetos para a dinamização dos cruzeiros marítimos, bem assim para o suporte no atendimento dos navios distribuídos pelos portos litorâneos, para atender ao déficit de hospedagem por conta da próxima Copa do Mundo. Os navios suplementariam o potencial de oferta de vagas dos hotéis por ocasião do Campeonato Mundial de Futebol.

O estudo do Ipea identifica os embaraços gerados pela falta de acessos aos portos por rodovias e ferrovias. A ausência dessa interligação vem impedindo as exportações da safra agrícola do Centro-Oeste, pelos portos de Santarém e Vila do Conde, no Pará, e Itaqui, no Maranhão. O crescimento do agronegócio no Brasil Central supera todas as expectativas, a partir da produção da soja, cuja projeção prevê incremento de 130% até 2023. Hoje, a saída se processa pelos distantes portos de Santos (SP), e de Paranaguá (PR), com elevados custos.

No transporte marítimo, a liderança mundial é da China, seguida por Cingapura, Holanda e Coreia do Sul. O porto de Santos, o maior do País, ocupa a 51ª posição. Os resultados das ampliações dos principais portos brasileiros poderão convencer os planejadores das ações setoriais da necessidade de continuar esse esforço de modernização, oferecendo à cadeia produtiva uma logística de transporte por cabotagem e de longo curto, baseada em tarifas competitivas, por conta do grande volume embarcado.

As empresas operadoras dos portos passaram por processos de modernização, esperando-se seja o transporte marítimo incluído entre as prioridades nacionais. Os investimentos iniciais do PAC sinalizam nessa direção.


Fonte: NewsComex

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA