terça-feira, 6 de abril de 2010

Com novo trabalho, funcionários fazem planos (Dique Seco).

Milhares de rio-grandinos, e também de forasteiros que se mudaram para o Sul, concordam que o Polo Naval está operando uma transformação no sul do Rio Grande do Sul, da qual eles fazem parte. Há quem veja no projeto um desafio profissional a ser vencido, há quem veja uma oportunidade de negócios ou de emprego e há quem, tendo conquistado trabalho, sonhe com a primeira casa própria, o carro ou a faculdade.
O administrador de empresas sergipano Kleber Cabral, 56 anos, foi dos primeiros a chegar ao Rio Grande, ainda em 2006, quando a Quip começava a montar a Plataforma P53. À época não havia grande dificuldade para conseguir moradia e a adaptação foi fácil.
"Era um desafio fazer algo pioneiro dentro da empresa e desenvolver uma atividade onde não havia mão de obra especializada", recorda, satisfeito com os resultados obtidos. Cabral diz que a cidade do Rio Grande tem o perfil sossegado que ele gosta, uma praia "espetacular" e está próxima de Punta Del Este e Montevidéu, no Uruguai, para onde viajou com a família, que mora no Rio de Janeiro, recentemente.
O soldador Guilherme dos Santos, 34 anos, deixou Angra dos Reis (RJ) e conseguiu emprego no Rio Grande. Está morando num alojamento para trabalhadores e logo que puder vai buscar a mulher e os dois filhos pequenos. O polo também atraiu gaúchos de outras cidades, como Ressier Vellar, 29 anos, de Pedro Osório.
Ele fez curso técnico de manutenção eletromecânica em Pelotas e agora é operador de uma máquina de corte de aço na metalúrgica Profab. "Na minha cidade não existe indústria; aqui encontrei um emprego e posso crescer", afirma, revelando que seu próximo sonho é ingressar num curso superior de engenharia mecânica.
Projetos. Na mesma Profab, a soldadora Tatiana Castro, 35 anos, casada, dois filhos, nascida no Rio Grande, tem projetos semelhantes. Ela pagou curso no Senai com o salário que ganhava como cozinheira. Admitida há cinco meses como ajudante, passou a treinar e assumiu a função que desejava há três meses. "Agora quero criar condições para cursar psicologia e também colocar meu filho na faculdade", confidencia.
A nova onda econômica apressou investimentos em infraestrutura, expôs deficiências e aguçou expectativas. A prefeitura de Rio Grande acredita que a população vai crescer 50%, para 300 mil habitantes, o orçamento vai dobrar, para R$ 500 milhões por ano, assim como a frota de automóveis, que chegará a 150 mil unidades até 2015. / E.O

Fonte: //www.estadao.com.br

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA