sábado, 13 de agosto de 2011

Eike pode pagar até 30% mais por plataforma fabricada no Brasil

Eike no Escritório
Eike Batista: fabricação local tem seu preço até para o bilionário

São Paulo – O desejo de Eike Batista de construir suas plataformas de petróleo no Brasil vão lhe custar caro, pelo menos, no médio prazo. “Num primeiro momento, as plataformas podem sair até 30% mais caras no Brasil”, afirma Luiz Carneiro, presidente da OSX, a empresa de Eike responsável pela construção de equipamentos para o setor petrolífero.
No geral, a OSX enfrenta os mesmos problemas que a Petrobras, a gigante brasileira do setor, para tocar seus projetos. Entre os maiores, estão a falta de mão-de-obra qualificada e o gargalo dos fornecedores. Depois de décadas de ostracismo, a indústria naval foi sacudida pela descoberta do pré-sal e pelo início das atividades da OGX, a petrolífera de Eike.
O problema é que, sem estímulo, os fornecedores não desenvolveram uma capacidade adequada para atender à nova demanda. E isso se complica, diante da exigência do governo de que as companhias petrolíferas garantam uma taxa média de nacionalização de 65% em seus projetos.
A OGX encomendou à sua irmã OSX sete plataformas de petróleo (cinco flutuantes e duas fixas). A primeira, a FPSO-OSX 1, será entregue neste sábado (13/8), em Singapura, à empresa pelo estaleiro Keppel. Outras duas plataformas flutuantes já foram encomendadas ao país asiático: a OSX 2 e OSX 3.
Pimenta local
A empresa de Eike está construindo, no Rio de Janeiro, um estaleiro no superporto de Açu. A primeira plataforma que deve ser fabricada pela companhia no Brasil é a OSX 4. Sua entrega está prevista para o segundo trimestre de 2014. É neste projeto que o peso do custo de fabricação local pode se manifestar.
Para reduzir o impacto, a empresa adotou uma série de medidas. Uma delas é a padronização dos projetos, que permitirá a encomenda de pacotes de equipamento e tecnologia, a fim de ter mais poder de barganha com os fornecedores.
Com exceção da primeira plataforma, a OSX 1, as outras quatro terão capacidade para processar 100.000 barris por dia de óleo e armazenar 1,3 milhão de barris.
Outra iniciativa é começar a formar a mão de obra necessária para os projetos. A OSX assinou um contrato com a Federação das Indústria do Rio de Janeiro (Firjan) para isso. “Vamos qualificar 7.800 pessoas”, afirmou Luiz Carneiro, presidente da OSX.
Segundo o executivo, embora o custo da primeira plataforma possa ser maior que uma similar fabricada em outro país, a tendência é o valor convirja para a média mundial. “Queremos ser tão competitivos quanto os concorrentes globais”, diz.

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA