terça-feira, 2 de março de 2010

EBSE terá fábrica de tubos em Pernambuco

A empresa carioca EBSE Soluções de Engenharia (antiga Empresa Brasileira de Solda Elétrica) acaba de ganhar concorrência para construir os seis separadores de produtos das plataformas P-58 e P-62, da Petrobras, com o preço de € 3,9 milhões (aproximadamente R$ 11 milhões). A companhia também prepara-se para inaugurar uma fábrica de tubulações em Itapicumã, próximo à Ilha de Itamaracá, em Pernambuco, substituindo uma unidade que está sendo desativada em Jacareí, no interior de São Paulo. A empresa vai construir também tubulações especiais para a futura usina nuclear de Angra 3.
Apesar da constatação de que o mercado somente agora está em fase de reaquecimento, o diretor superintendente da EBSE, Marcelo Bonilha, disse esperar para este ano um faturamento de R$ 185 milhões, quase 50% maior do que os R$ 125 milhões do ano passado. Segundo o executivo, a Petrobras, principal mercado da empresa, voltou a acelerar as compras de equipamentos para a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e começa a "botar na rua" licitações para compras destinadas a outros projetos, especialmente para construção de plataformas.
Com a conquista do contrato para fazer os separadores - equipamentos que separam o petróleo extraído do poço do gás, da água e da areia que sobem à superfície junto com o óleo - das plataformas P-58 (campo de Baleia Azul, ES) e P-62 (campo de Roncador, RJ), a EBSE passou a contar em sua carteira com encomendas dos mesmos equipamentos para cinco plataformas.
Além das duas já citadas, a empresa fará os separadores das unidades P-55 (também para Roncador), P-57 (campo de Jubarte, ES) e Cherne (revitalização, na bacia de Campos, RJ). Todos os separadores serão construídos em parceria com a holandesa Frames, empresa detentora do pacote tecnológico dos equipamentos. A contratação dos separadores na EBSE faz parte de um processo de nacionalização desses equipamentos que, segundo Bonilha, antes eram inteiramente importados. A tecnologia adotada, contudo, continua sendo estrangeira.
Sobre a fábrica de Pernambuco, Bonilha disse que ela deve entrar em funcionamento no próximo mês, com investimento de apenas R$ 3 milhões. Segundo ele, o investimento será baixo porque a EBSE está alugando, com opção de compra, um galpão já equipado com pontes rolantes para a movimentação das peças em fabricação.
Além disso, como a nova fábrica vai, na realidade, substituir a unidade de Jacareí, a maior parte dos equipamentos será simplesmente transferida de um Estado para o outra. Bonilha disse que a fábrica de Jacareí está sendo fechada porque os contratos que justificavam sua existência estão chegando ao fim. A unidade principal da EBSE fica no bairro de Santíssimo, zona oeste do Rio, onde ela produz, principalmente, tubos de aço.
Em relação os tubos com aços especiais para a futura usina de Angra 3, Bonilha disse que a EBSE beneficiou-se de contratos que já existiam desde o tempo da contratação das usinas Angra 1 e 2, reativado agora que o governo federal decidiu retomar as obras de Angra 3.
A EBSE pertenceu originalmente ao grupo Macife, passando depois ao controle do antigo Banco do Estado do Rio de Janeiro (Banerj). Com a privatização do Banerj, em 1997 (comprado pelo banco Itaú), a empresa ficou sob controle do Berj, parte do antigo banco estadual que não foi privatizada e que permanece até hoje sob controle do Estado. Em 2000, a MPE adquiriu o controle da EBSE com 51% do seu capital, permanecendo os outros 49% de posse do Berj.(Fonte: Valor Econômico/ Chico Santos, do Rio)



De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA