terça-feira, 21 de junho de 2011

Expansão da construção naval vai beneficiar a região Sul

Município de Rio Grande se prepara para concentrar os estaleiros de maior porte
Jefferson Klein

MARCO QUINTANA/JC
Coester prevê maior descentralização dos investimentos
Coester prevê maior descentralização dos investimentos
Com o polo naval desenvolvendo-se aceleradamente no município de Rio Grande, a tendência agora é de que outras cidades aproveitem as demandas geradas por esse segmento. O diretor-presidente da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Marcus Coester, prevê que ocorrerá a descentralização dos investimentos.

O dirigente argumenta que em Rio Grande ficarão concentrados os estaleiros de maior porte e em outras localidades serão instaladas indústrias de peças e equipamentos. Ele salienta que a hidrovia gaúcha servirá de apoio ao transporte desses equipamentos, pois é uma alternativa mais adequada do que a movimentação rodoviária. Coester adianta que já há empresas procurando áreas para se instalarem perto da via fluvial, mas prefere não revelar ainda o nome dessas companhias.

O diretor-presidente da AGDI participou ontem na Fiergs de seminário para apresentar o programa de desenvolvimento da indústria oceânica (Offshore) no Rio Grande do Sul e as estratégias de inserção e ampliação de negócios para fornecedores da Petrobras.

Ele explica que o evento foi uma sequência de um seminário realizado na Coreia do Sul e relata que outras apresentações serão realizadas no Brasil e em outros países. Em julho, a explanação deverá ser feita na Alemanha e na Holanda. Basicamente, será demonstrado o conceito da indústria oceânica gaúcha, destacando suas vantagens competitivas.

Outro participante do encontro na Fiergs, o deputado federal Ronaldo Zulke (PT) lembra que a Petrobras deve investir, nos próximos quatro anos, US$ 224 bilhões e isso deve despertar o interesse das companhias do Estado. "É uma alavanca para o desenvolvimento e o Rio Grande do Sul tem que participar desse processo", ressalta o deputado. Ele acrescenta que propôs na Câmara a constituição de uma comissão especial para tratar da garantia da presença da indústria nacional no segmento de construção naval.

O gerente de Contratos na área de Exploração & Produção da Petrobras, Edmar Diniz, concorda que pode haver uma maior participação da indústria brasileira no fornecimento de equipamentos para plataformas. Ele comenta que a última plataforma finalizada no País, a P-56, conta com 73% de conteúdo nacional. "É um percentual alto, mas entendemos que temos algo a fazer para aumentar esse índice", afirma Diniz. O executivo diz que a meta pode ser alcançada através da produção no Brasil de equipamentos que hoje são importados e pela intensificação dos serviços já prestados dentro do País.

Bacia de Pelotas pode ter regime de partilha

Luana Fuentefria
A exploração da Bacia de Pelotas, no Litoral gaúcho, pode ser feita por sistema de partilha. A afirmação é do geólogo da Petrobras e consultor da Presidência da República, Henyo Trindade Barretto. Crítico ao marco regulatório estabelecido para a exploração do pré-sal, Barretto, que esteve ontem em palestra na Fundação de Economia e Estatística (FEE), sustenta que o governo precisa abandonar o regime de concessões, política que diminui a apropriação da renda do setor de petróleo pelo País.

Barretto expôs cálculos que mostram que nos 12 anos em que o governo arrecadou R$ 138 bilhões de receita sob o regime de concessão, essa quantia subiria para R$ 288 bilhões no caso de partilha. A previsão para a Bacia de Pelotas - uma área que abrange a costa gaúcha e parte da catarinense, do Chuí até Florianópolis - é que ela seja considerada estratégica. Nesse caso, seria estabelecido o regime de partilha para sua exploração. Conforme o geólogo da estatal, a classificação pode ser feita porque a região é considerada nova fronteira exploratória. No entanto, a decisão depende do Conselho Nacional de Política Energética, do Ministério de Minas e Energia.

Todas as reservas do pré-sal estão sob regime de concessão, adotado no País em 1997. Barretto afirma que o sistema ainda está vigente devido à prevalência da lógica de honra aos contratos, e somente poderão ser estabelecidas partilhas para as próximas reservas do pré-sal descobertas. "Não há soberania nenhuma do estado no caso de concessões", critica. Conforme ele, mesmo na perspectiva mais pessimista, o regime garante ganhos muito maiores para o estado. No regime de partilha, a propriedade das reservas e da produção permanece em poder do estado e as empresas recebem uma compensação adequada pelas atividades desenvolvidas. O início da perfuração de poço na Bacia de Pelotas deve ocorrer até junho de 2012. Conforme o consultor, ainda falta a sofisticação tecnológica para o início dos trabalhos, a fim de que não ocorra arranjos malfeitos na exploração. O investimento estimado na prospecção no Litoral gaúcho é de US$ 60 milhões a US$ 80 milhões.
Fonte: JornaldoComercio.com

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA