sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Iniciada a construção da P-55 (Processo de União entre os Nós e Vigas)

Soldagem de vigas e nós de aço para construção do convés da P-55 acontece em oficinas do Estaleiro Rio Grande.


Funcionários de duas empreiteiras contratadas pelo consórcio Quip estão trabalhando na união através de soldagem das vigas e nós de aço especial de alta resistência que formarão os conjuntos para a construção da estrutura principal do convés (deckbox) da plataforma de petróleo P-55. Esse serviço, que acontece em parte das oficinas do Estaleiro Rio Grande, empresa que está construindo o dique seco na área do Superporto, teve início no último dia 6 e significa o começo da construção da P-55 em Rio Grande. As informações foram dadas pelo gerente de implantação de empreendimentos da P-55, Francisco Carlos Ramos, da Petrobras, ontem, durante a 3ª Convenção Regional Lojista, promovida pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) do Rio Grande, no auditório do Centro de Convívio dos Meninos do Mar.

No total, serão utilizadas 350 vigas e 145 nós, que serão unidos para formar vários conjuntos. A união das peças é um processo lento, sendo necessário em torno de um mês e meio de trabalho para ser feito um conjunto. Cada conjunto é composto de um nó e várias vigas. No momento, estão sendo trabalhados nove nós e 28 vigas. O peso dos nós varia entre três e 56 toneladas e o das vigas, entre sete e 14 toneladas, segundo informações do gerente de montagem da plataforma P-55, José Luis Cunha. Esses conjuntos que estão sendo feitos nas oficinas depois serão levados para a área de pré-edificação e posteriormente para dentro do dique seco, onde começará a montagem do convés. A plataforma, que depois de pronta pesará em torno de 46 mil toneladas, deverá estar concluída em julho de 2011. Só o convés, cujo término é previsto para agosto de 2010, pesará, com seus equipamentos, em torno de 23 mil toneladas.

Fora do Rio Grande, a construção da P-55 começou em agosto de 2008, com a fabricação das peças de aço em Suape (Pernambuco) para composição do casco da plataforma. Essas peças virão para Rio Grande no próximo ano, pois a montagem do casco acontecerá no dique seco. O Quip, que fará o convés, dois módulos e a integração da plataforma, já está instalado na área da infra offshore (denominação dada ao dique), assim como a Iesa, responsável pela execução de outros dois módulos. No pico da execução da P-55, a previsão é de que sejam gerados na área do dique cinco mil empregos diretos. Além disso, haverá os indiretos, tanto em Rio Grande quanto em outras cidades.

José Luis Cunha observou que a obra da plataforma tem um processo de grande dificuldade, que será a união do convés ao casco. Essa junção ocorrerá dentro do dique, a 50 metros de altura. O convés será levantado por torres (sistema hidráulico para içamento), que virão da Holanda, e o casco entrará embaixo dele. O vento que costuma ocorrer em Rio Grande torna essa operação difícil. Para a montagem do convés, além da porta batel, o dique seco receberá uma comporta intermediária, cujas peças estão sendo fabricadas pela Metasa, em Marau, e depois serão unidas na área do dique. Essa comporta intermediária será instalada no meio da área do dique, ficando uma parte para a montagem do casco e outra para a do deckbox. Finalizados os dois serviços, ela será retirada para a união do casco ao convés.

A P-55 é uma plataforma do tipo semissubmersível e atuará no Campo de Roncador, a 125 quilômetros do Cabo de São Tomé, em Campos (Rio de Janeiro). Ela é destinada à produção de 180 mil barris de óleo por dia e tem capacidade de compressão de 6 milhões de metros cúbicos por dia de gás.


Dique seco será concluído no final do ano


Francisco Ramos, que palestrou sobre a implantação do Polo Naval e a plataforma P-55, informou que a construção do dique seco deve ser concluída até o final deste ano ou início de janeiro. "Estamos nas últimas concretagens da laje de fundo e montando a porta batel (último equipamento a ser instalado no dique). O contrato com a WTorre é até novembro, mas deve ocorrer um atraso. A maioria dos trabalhos deve ser concluída até o fim de novembro, mas sempre sobra pequenos serviços para finalizar a obra. Por isso, deve se estender até o final do ano ou início de janeiro", observou. Relatou ainda que o cais já foi colocado em operação, com o primeiro descarregamento de painéis metálicos adquiridos pela Quip na Europa. Atualmente, a obra do dique envolve em torno de 1.300 trabalhadores. O investimento total no projeto da infra offshore, incluindo equipamento e instalações, hoje é de R$ 750 milhões.

Sobre os empreendimentos ainda previstos para Rio Grande, Ramos lembrou que a Petrobras está prestes a assinar contrato com o Quip para a construção da P-63 e que até dezembro deve ser assinado o contrato para os oito cascos do pré-sal.

Fonte: Carmem Ziebell - Jornal Agora.

De olho nos acontecimentos...

De olho nos acontecimentos...

Galo Até Morrer!!!

Galo Até Morrer!!!
Super Galo

Minha Princesinha

Minha Princesinha

Galerinha do Barulho rsrsrs...

Galerinha do Barulho rsrsrs...
Filhotes, Filhos

Minha vida

Minha vida
Família

EU E MINHA TURMINHA LINDA

EU E MINHA TURMINHA LINDA
FAMÍLIA